Aluna é internada por suspeita de H1N1 e escola é higienizada

Suspeita de H1n1 faz escola ser higienizada

Uma escola particular no Centro de Teresina orientou a higienização de salas de aula, banheiros e outros espaços do local após uma aluna ser internada com suspeita do vírus H1N1. A direção do colégio foi notificada pelos responsáveis da adolescente que ela havia sido submetida a exames e aguarda resultados. O estado de saúde da aluna, que está internada em um hopsital da capital, é estável.

A Fundação Municipal de Teresina (FMS) orientou alunos, professores e familiares a seguir algumas medidas básicas para evitar o contágio como: lavar as mãos com frequência; evitar beijos e abraços entre os colegas; arejar os espaços e ainda fazer a higienização de salas de aula e demais setores.

Na próxima segunda-feira (25) um profissional da FMS deverá visitar a escola para esclarecer dúvidas e passar outras informações aos alunos sobre as formas de combater o vírus do Influenza A/H1N1.

No último boletim divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde já haviam sido notificados 45 casos suspeitos de Influenza H1N1, com dados fechados até a última segunda-feira (18). As amostras foram coletadas para confirmação por exame laboratorial. Do total, foram registrados oito óbitos, o que corresponde a 17,5% dos casos, também sob investigação.


Vacinação
Por critério epidemiológico, a Secretaria de Estado da Saúde, de acordo com a recomendação do Ministério da Saúde, orientou aos municípios que tiveram casos suspeitos notificados da Influenza H1N1 antecipassem o calendário de vacinação, mantendo o 30 de abril, como o Dia D de vacinação.

Ao todo, serão 732.193 doses a serem distribuídas para todos os municípios piauienses. A imunização é voltada para os grupos prioritários: crianças de seis meses a menores de 5 anos, gestantes e puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), pessoas com mais de 60 anos, trabalhadores da saúde, funcionários do sistema prisional, população privada de liberdade, população indígena, bem como doentes crônicos com recomendação médica, pessoas com problemas respiratórios, cardíacos, com baixa imunidade, dentre outros.

Para o tratamento da Influenza, o Estado disponibiliza 7.500 doses de antiviral Oseltamivir, de nome comercial Tamiflu. Havendo suspeita de Influenza H1N1, o paciente é submetido à medicação e ainda é recolhido amostra para exame laboratorial.

Fonte: Meio norte