Espermatozoide humano foi criado através da pele, veja

Espermatozoide no entanto não é capaz de fecundar ainda

Cientistas de Valencia (Espanha) conseguiram criar espermatozoides humanos a partir de células da pele que, embora sejam incapazes de fertilização, representam um passo importante na resolução de problemas de fertilidade no mundo, explicaram nesta quarta-feira à AFP.

Cerca de 15% dos casais do mundo enfrentam este problema: não podem ter filhos e sua única opção é a doação de óvulos ou de esperma de terceiros.

"Mas todo mundo quer ter filhos geneticamente próprios", explica à AFP Carlos Simón, diretor científico do Instituto de Infertilidade de Valencia (IVI).

"O que acontece quando uma pessoa que quer uma criança carece de gametas (células reprodutivas, ovócitos ou espermatozoides)? Este é o problema que queremos resolver: criar gametas naquelas pessoas que não possuem", afirmou Simon.

O estudo, realizado pelo IVI em colaboração com a Universidade Americana de Stanford, foi publicado na terça-feira na revista Scientific Reports, do prestigioso grupo Nature.

Os pesquisadores foram inspirados pela técnica de reprogramação celular concebida pelo japonês Shinya Yamanaka e o britânico John Gurdon, premiados em 2012 com o Prêmio Nobel de Medicina, para converter células adultas em células-tronco.

Em sua experiência, eles conseguiram reprogramar diretamente as células maduras da pele introduzindo-lhes um coquetel de genes essenciais para a criação de gametas.

Em um mês, a célula começa a ser modificada até obter o perfil próprio de uma célula germinal, o tipo de célula responsável pela formação de ovócitos e espermatozoides, mas ainda incapazes de fecundar.

"É um espermatozoide, mas precisa de uma fase de maior maturidade para se tornar um gameta competente. É apenas o começo", disse Simon.

Os pesquisadores ainda estão longe de atingir o êxito de alguns pesquisadores chineses, que produziram este ano ratos de espermatozoides artificialmente criados e injetados em um óvulo, que, por sua vez, foi implantado em uma fêmea.

"Com a espécie humana, teremos de fazer muitos testes porque daqui nascerá uma criança", disse ele.

Além disso, vão encontrar limitações legais: para continuar o desenvolvimento da técnica deverão criar embriões artificiais, algo que só é permitido em alguns países como a Inglaterra, onde pretendem continuar a sua pesquisa. "Estamos falando de um projeto de longo prazo", disse Simon.

Fonte: meio norte