Veja método criado por médicos brasileiros sobre o câncer de mama

Médicos criaram um método de manter o mamilo após cirurgias

Pesquisadores da SBM (Sociedade Brasileira de Mastologia) têm agora condições de reduzir o número de mastectomias mutiladoras em pacientes com câncer de mama, graças a estudos efetuados em São Paulo, que usaram exames de ressonância magnética e de congelação que identificam se o tumor comprometeu ou não o mamilo, contribuindo para a sua preservação na cirurgia.

A associação dos dois métodos já está sendo adotada, na prática, no Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo), segundo o coordenador do estudo, José Roberto Piato:

— Quando se associa os dois [exames], consegue-se preservar o mamilo com uma segurança enorme. Só tiramos o mamilo, hoje em dia, quando ele está tomado pela doença e não indiscriminadamente, mutilando as mulheres, como se fazia sempre.

A ideia é estender isso para toda a prática clínica, no País, inclusive no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde), diz  o coordenador do estudo José Roberto Piato. O grande problema, explica, é a reconstrução do mamilo, que aparece como principal causa de insatisfação em uma cirurgia plástica de reconstrução mamária.


O primeiro estudo envolveu 170 pacientes de câncer de mama residentes em São Paulo. As mulheres, submetidas à mastectomia clássica, de retirada completa de glândulas mamárias, pele, auréola e mamilos, fizeram ressonância magnética, que é um exame de imagem, para verificar se havia invasão tumoral do mamilo.

Membro da SBM, José Roberto Piato explica que, tradicionalmente, a mastectomia inclui a remoção da auréola e do mamilo:

— De uns tempos para cá, temos tentado fazer cirurgias mais conservadoras, no sentido de preservar o mamilo, porque o resultado estético é muito melhor. Isso é importante para a cabeça da paciente. A mama compõe a imagem corporal da mulher e a preservação do mamilo interfere com a questão da sexualidade e com a feminilidade.

O esforço, conforme Piato, é no sentido de preservar o mamilo mas, quando existe um tumor na mama, muitas vezes ele se estende até o mamilo, de forma até microscópica, que não é visível a olho nu. Nessas situações, é importante que o mamilo seja removido.


Finalidade estética

Os métodos desenvolvidos objetivam mostrar em que situações o câncer se estende ou não até o mamilo. Na ressonância magnética, é injetado um contraste no sangue que costuma ser captado pelo tumor de mama como uma espécie de brilho, chamado realce.

— Essas pacientes, antes de terem as mamas removidas, foram submetidas a esse exame.

Os pesquisadores tentaram, então, determinar se as variantes analisadas tinham relação ou não com o comprometimento do mamilo. As mamas removidas foram encaminhadas ao patologista, enquanto o radiologista revia os exames de ressonância efetuados.

José Roberto Piato informa que quando o exame de ressonância mostra um realce que se estende de forma contínua desde o tumor até a papila (mamilo), a chance de  comprometimento do mamilo é alta. Quando não existe esse realce contínuo, “em 90% das vezes, o mamilo está livre (do câncer)”.

Outro achado importante apontado pela ressonância magnética é que quando o mamilo está retraído ou repuxado, a chance de comprometimento é grande.

— Agora, quando não existe nenhum dos dois, se não tiver nem o realce se estendendo do tumor até a papila, nem a retração da papila, a chance de ela estar livre é mais que 90%.

Esse estudo é complementado por outro, com a mesma finalidade de descobrir se o tumor chegou ou não ao mamilo, também coordenado pelo mastologista e publicado na revista internacional European Journal of Surgical Oncology no final do ano passado. A diferença é que ele é feito na hora da cirurgia por um exame de congelação, segundo o médico:

— Removemos um tecido atrás do mamilo e entregamos para o patologista. Ele faz uns cortes de congelação e olha no microscópio. Se estiver livre, não tiramos o mamilo.

Enquanto o exame de ressonância dá 90% de segurança para os cirurgiões, o exame de congelação permite 99% de segurança, revela Piato.

De acordo com o Inca (Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva), ligado ao Ministério da Saúde, o Brasil terá este ano 57.960 novos casos de câncer de mama. A incidência da doença tem aumentado entre 1% a 2 % ao ano.

Fonte: R7.com