1 milhão de trabalhadores ficarão sem vaga em 2011

Segundo o Ipea, embora esteja prevista uma expansão no mercado, o número de pessoas se formando e se qualificando é superior à oferta de vagas.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou nesta quinta-feira (28) um estudo apontando que mais de 1 milhão de trabalhadores com experiência e qualificação profissional permanecerão desempregados no país em 2011, mesmo que mais postos de trabalho sejam abertos. Segundo o instituto, embora esteja prevista uma expansão no mercado, o número de pessoas se formando e se qualificando é superior à oferta de vagas.

Em 2011, o Brasil deve gerar 1,7 milhão de empregos, enquanto que 19,3 milhões de contratações serão fruto da rotatividade do mercado, o que totaliza em 21 milhões de trabalhadores contratados. Ao final do ano, porém, o país terá qualificado 22 milhões de trabalhadores.

Nessa conta entram os que perderam o emprego por causa da rotatividade (19,3 milhões), os cerca de 2 milhões de desempregados qualificados, mais os 762 mil trabalhadores que entram no mercado já com qualificação e experiência profissional.

?Quando se contrasta a demanda potencial de mão de obra com a oferta disponível de trabalhadores qualificados e com experiência profissional conclui-se que poderá haver um excesso de mais de 1 milhão de trabalhadores?, informa o estudo.

O Ipea alerta, porém, que o excesso não é distribuído igualmente entre o país nem entre os setores da economia. Podem faltar ou sobrar vagas dependendo do Estado e da carreira.No Maranhão, por exemplo, considerando-se a demanda de todos os setores econômicos, faltarão 1,9 mil trabalhadores com qualificação. Já em São Paulo, apesar do excesso geral de 203 mil qualificados, é estimada a escassez de trabalhadores em algumas atividades.

Só a indústria paulista terá um déficit de 33,2 mil trabalhadores. Já o setor de comércio e reparação, um déficit de 28,9 mil e a administração pública, de 3,4 mil.

Fonte: Época