Forma como escrevemos o “g” pode revelar sobre nosso comportamento sexual

Abaixo, segue um breve guia para nos examinarmos através de nossa letra:

De acordo com alguns cientistas, a informação mais valiosa e profunda sobre o caráter de uma pessoa pode estar presente em um pequeno detalhe e falta apenas um estudo preciso para trazê-la à tona. Certos estudiosos, por exemplo, encontram a personalidade na letra manuscrita: Irene López Assor, grafóloga e psicóloga, descobriu que a forma de escrever a letra “g” pode ser determinante para compreender as tendências sexuais e sentimentais de uma pessoa. Abaixo, segue um breve guia para nos examinarmos através de nossa letra:

A cabeça: representa a personalidade. Se é muito grande, significa que o autor precisa ser o protagonista de uma relação e não tem consideração em relação ao outro. Se muito pequeno, é um sinal de negativismo e autoestima baixa.

O pé: mostra a capacidade instintiva. Quanto maior, maior pulsão sexual. Quanto menor, mais inibição. Quem desenha o pé de forma angular, é sádico, e, de forma triangular, é reprimido.

A barriga: caracteriza a criatividade sexual. Se a largura coincide com a medida da cabeça, seu autor é capaz de entregar o afeto necessário e equilibrado ao seu parceiro. Se maior, reflete fantasias eróticas e uma tendência e utilizar elementos externos, como brinquedos, pornografias, etc.

A junção com a letra seguinte: quanto mais fluido é o traço em relação à letra próxima, maior será a entrega e melhores as relações. Se está separado, é porque existe desconfiança no relacionamento. Por outro lado, se o “g” se assemelha a um “s”, é porque há imaturidade no relacionamento. Se a cabeça está separada do resto, significa que a pessoa foge do compromisso. O laço ao contrário, que não se liga à letra seguinte, é a renúncia ao ato sexual, característico de pessoas religiosas.

Embora muitos duvidem da consistência desse sistema, trazendo argumentos teóricos, a transparência da proposta permite que cada um tenha sua própria opinião, baseada na prática.

Fonte: Acidez Feminina