Professora que aparece em vídeo na web quer voltar a dar aula

Ela também espera matricular a filha, de 7 anos, em uma nova escola

A professora de ensino fundamental, de 28 anos, que foi demitida após aparecer dançando sensualmente em vídeo na web, disse ao G1 que pretende retomar a carreira de alfabetizadora, em Salvador. Ela também espera matricular a filha, de 7 anos, em uma nova escola, já que a menina deixou de frequentar as aulas na instituição em que a mãe lecionava.

"Eu estou doente e precisando de um tempo para mim. O que mais quero agora é voltar a trabalhar e a dar aula novamente. Também estou preocupada com minha filha, que está sem estudar desde que fui demitida. Ela está psicologicamente abalada", disse a educadora.

A direção da escola disse ao G1 que houve uma conversa com a professora e a mãe dela e a demissão foi uma medida consensual.

Ela teve de mudar de casa após a descoberta do vídeo, pois passou a receber retaliações dos vizinhos por conta das imagens. A professora foi filmada em junho, quando dançava, no palco da casa noturna Malagueta, a coreografia da música "Todo enfiado", do grupo de pagode O Troco.

Os representantes da casa noturna Malagueta informaram ao G1 que o movimento aumentou cerca de 50% desde que o vídeo da professora se tornou um hit na web. O grupo O Troco, no entanto, não se apresenta mais no local.

Justiça

O advogado Antonio Leite Matos disse ao G1 que entrou, nesta segunda-feira (31), com processo na Justiça de Salvador para tirar da web e proibir qualquer forma de exibição do vídeo em que uma professora aparece dançando sensualmente.

"Entrei com uma ação cautelar para que o juiz impeça a exibição do vídeo na internet ou em qualquer veículo de comunicação. O objetivo é preservar a imagem dela, da família e, principalmente, da filha dela", disse o advogado.

Leite Matos afirmou ainda que terá um prazo de 30 dias para entrar com uma ação definitiva de indenização por danos morais e materais. "Ela está sofrendo muito com essa situação, pois perdeu o emprego. Ela dependia do salário de professora para sustentar sua filha."

Fonte: g1, www.g1.com.br