Sexo anal: dicas e posições para não desistir na primeira tentativa

Sexo anal: dicas e posições para não desistir na primeira tentativa

O sexo anal ainda é um tabu para muitas pessoas

O sexo anal ainda é um tabu para muitas pessoas, mas é uma das sensações mais prazerosas que pode elevar a relação para outro nível bem melhor. Apesar da dor e repulsa que é culturalmente imposta pela sociedade em geral, o indicado é que os parceiros não desistam nas primeiras tentativas.


Assim como acontece nas primeiras vezes no sexo anal, em relação a dor, também acontece com o vaginal. Portanto tudo depende de adaptação e um pouco de paciência, depois ficará tudo tão prazeroso - ou até mais - que o sexo vaginal.


Para Eliane Maio, sexóloga e professora-doutora em psicologia da UEM (Universidade Estadual de Maringá), no Paraná, a estigmatização do sexo anal é culpa da deseducação sexual. "Pouco se fala sobre os prazeres que o sexo anal proporciona e por isso a dor ganha mais destaque." Diante da vontade de ultrapassar esse tabu, só é preciso respeitar os desejos e os limites do corpo.


Ainda de acordo com a sexóloga não há como saber ao certo quantas vezes são necessárias para que o sexo anal deixe de ser dolorido e passe a ser totalmente prazeroso. Cada pessoa tem seus desejos, vontades e sensibilidades diferentes. E ainda há pessoas com bloqueios de personalidade e uma cultura familiar que não aceita facilmente este tipo de relação.


Eis algumas dicas que podem ajudar nesse processo:


  • Treinar a sós


Através de uma boa prática individual e com um bom uso de estimulantes, é possível conhecer melhor o corpo. Durante o banho por exemplo é indicado utilizar alguns vibradores ou brinquedinhos sexuais para estimular a região.


“O orgasmo acontece com a estimulação clitoriana concomitante. Ou seja, o parceiro não pode ficar restrito a apenas uma área. Boca, orelhas, mamilos e outras zonas erógenas devem ser exploradas. Exercícios de contração vaginal também podem ajudar a alcançar o clímax", fala Samanta Fonseca, terapeuta sexual do Cedes (Centro de Orientação e Desenvolvimento da Sexualidade), em São Paulo.


  • Limpeza e precauções


Segundo os especialistas, a limpeza interna do ânus antes do sexo não é tão necessária quanto se imagina. Lavar o local com água e sabonete é suficiente para evitar o cheiro característico. Mas se a intenção for fazer uma limpeza mais rigorosa, a lavagem interna do canal retal também é comum e segura, quando realizada com cuidado para não ferir a área e com o uso de uma sonda conhecida pelo nome de enema.


  • Posições mais recomendadas

Por último, mas não menos fundamental, está o cuidado com as posições que o casal vai escolher. Se a intenção é incorporar a modalidade na rotina, algumas são dispensáveis, como a que deixa a mulher em quatro apoios. “Nela, o homem que penetra tem controle total da situação e pode acabar se animando demais. O ideal é que a mulher consiga comandar a penetração para ir até onde é possível” fala Samanta.



  • Cuidado com as doenças


É imprescindível o uso da camisinha em relações sexuais anais. A sensibilidade na região do ânus é bem maior e há uma facilidade de contrair doenças sexualmente transmissíveis. Portanto, não esqueça desse detalhe antes de encarar uma deliciosa transa deste tipo.



Com informações de Thais Carvalho Diniz, do UOL.

Fonte: UOL