Affair do ex-BBB Max, coelha da "Playboy" mostra curvas: "Me fantasio de enfermeira"

Affair do ex-BBB Max, coelha da "Playboy" mostra curvas: "Me fantasio de enfermeira"

"Do jeito que os homens estão, vou me casar com mulher", diz, aos risos

Márcia Spézia tem os mesmos sonhos, problemas e realizações de muitas mulheres de 30 anos. Atributos como cabelos longos, corpão malhado, silicone nos seios e cinturinha fina esculpida com lipoaspiração. Mas quando coloca o maiô de cetim, rabinho de pompom e orelhas de coelhinha, chama atenção por onde passa.

Não é a toa que muitas mulheres casadas chegam a brigar com seus maridos ou até mesmo xingarem a catarinense, que já passou poucas e boas nestes quatro anos como uma das coelhinhas da "Playboy" - "a que mais faz matérias e trabalhos", segundo ela.

Em um dos diversos eventos de divulgação da revista pelo Brasil, ela foi escorraçada por uma mulher quando tentava entregar um flyer para o casal. "Ela me disse que eu estava denegrindo a imagem das mulheres. Outras já me perguntaram com despeito o que eu tinha feito para chegar até aqui", conta.

Puxões no figurino, apalpadas e até passadas de mão também já aconteceram, mas são logo controladas por seguranças. "A gente recebe muita cantada de homem - de mulher nunca recebi. Mas tem que deixar entrar por um ouvido e sair pelo outro. Faço meu trabalho de forma séria, com respeito."

A afirmação da morena, no entanto, não convenceu um de seus namorados, que acabou o namoro por ciúmes. A relação terminou em janeiro deste ano, depois de um ano e meio.

"Fiquei mal. Tive três namorados nesse tempo de coelhinha, e o trabalho atrapalhou, não dá para negar. Eles tinham orgulho de mim, mas terminavam por ciúmes, fofoca, matérias", avalia.

Com o ex-BBB Max Porto, com quem está saindo desde junho, as coisas são diferentes. "Não tem cobrança. Ele me entende, respeita", diz.

Apesar de preferir deixar o tempo dizer se o relacionamento vai se solidificar, se depender das dicas que Márcia dá para um namoro não esfriar, as coisas irão muito bem.

"Não deixo o relacionamento se acomodar: primeiro me cuido, gosto de me ver no espelho e me sentir bem. Depois, tem um vinhozinho aos finais de semana, dança do ventre... Também fiz aulas de pole dance, amo dançar", conta.

A coelhinha vai além. "É legal usar uma lingerie nova, talvez uma fantasia. Me fantasio de enfermeira, empregada doméstica, mocinha. Roupa de coelhinha perdeu a graça, não estou trabalhando nessa hora, né?!", diz.

"Vou me casar com mulher"

Bem-humorada, Márcia faz piada quando o assunto é casamento. "Do jeito que os homens estão, vou me casar com mulher", diz, aos risos. Questionada se realmente ficaria com uma mulher, descarta a possibilidade. "Não tenho vontade."

Porém, em ensaio para a "Playboy" ela teve que beijar uma das colegas. "Foi só para a foto mesmo", esclarece, voltando a brincar que "passou perto de ser lésbica". "Eu era um menininho quando criança: sempre tive amigo menino, brincadeiras de menino", recorda. "Na cama sou sensual, mas fora dela sou moleca", completa.

"Não posso desistir"

Apesar de ter sofrido preconceito no começo da carreira, Márcia não perde o foco. "As vezes fico triste, mas não posso desistir por causa de pessoas infelizes e inseguras que falam coisas", disse.

Com a agenda cheia de compromissos como coelha, editoriais e capas de revista no currículo, ela também faz sucesso como modelo. "Ser coelha oficial te dá visibilidade para outros trabalhos", diz.

A morena continua. "Caí de pára-quedas na "Playboy", por indicação de um fotógrafo, quando já estava em uma agência de modelo. Nada na vida é por acaso", conta ela, que desde menina sonhava com a carreira. "Quando vi Scheila Carvalho na capa disse para minha mãe: "Um dia serei capa"", lembrou, afirmando sempre ter contado com o apoio da família.

"No início foi dureza, fiquei preocupada com o que as pessoas falariam. Hoje muitas meninas me mandam e-mail perguntando como se faz para virar coelhinha. Tudo mudou quando a revista oficializou as coelhas", diz.

Mas nem tudo é sempre mil maravilhas em sua trajetória. "As vezes desanimo da carreira, penso em ter uma vida normal, casar, ter filhos. Mas se é para ser assim, vai chegar a hora", diz. "Estudei teatro e sonho ser atriz. Se surgir uma oportunidade, encaro. Mas vou continuar como coelhinha enquanto me quiserem", diz ela, que já fez uma pontinha na novela "Pé na Jaca".





Fonte: EGO