Festival de Cinema de Gramado tem o mesmo projecionista há 34 anos

José Luis de Almeida, 61 anos, participa de cerca de 40 festivais pelo país. Engenheiro paulistano conta que paixão por projetar começou na infância.

Há mais de três décadas, o mesmo homem é o responsável por projetar, na telona do Palácio dos Festivais, todos os filmes que disputam os Kikitos do Festival de Cinema de Gramado, na serra gaúcha. Distante da badalação e apesar de ficar quase o tempo inteiro dentro de uma pequena e escura sala com dezenas de aparelhos, o engenheiro paulistano José Luis de Almeida, 61 anos, é peça chave dentro do evento. Das 42 edições, Zé, como é conhecido entre os funcionários e organizadores, esteve em 34 delas, consecutivamente.

“Gramado para mim é uma experiência totalmente diferente. Tem mais glamour. Os outros festivais tem uma parte mais técnica. Aqui, as pessoas aparecem mesmo para ver os artistas e essa beleza toda”, analisa o projecionista.

Atualmente, Zé viaja quase o ano inteiro para trabalhar em cerca de 40 festivais de cinema pelo país. Com formação superior em engenharia eletrônica, ele conta que a paixão pelo ofício de projetar filmes começou quando  ainda era criança.

Aos 9 anos de idade, entrou em uma sala de cinema pela primeira vez e ficou curioso com o ponto de luz que gerava a imensa imagem em movimento que via projetada na tela. “Eu era muito moleque, mas lembro que fiquei encantando mesmo com aquela luz que saía da cabine para a tela. Encantado mesmo. Na época não tinha nem televisão direito”, relata.

A partir disso, passou a assistir aos filmes de dentro da sala de projeção, em um cinema de rua situado ao lado do restaurante do pai, no bairro Vila Maria, em São Paulo. “Aquilo me levou para cabine. Fui lá, fiz amizade com todo mundo, perguntava muito. Ia todo o domingo para a cabine e fui aprendendo. E fui fazer engenharia por causa de cinema”, sustenta.

Cuidadoso, Zé reserva 30 minutos antes do início de cada exibição para preparar o próprio equipamento e testar detalhes de som, luz e imagem. “Nunca deixei de passar um filme. A gente resolve tudo nos bastidores”, afirma.

Diferente de quando era criança, hoje ele garante ser impossível assistir aos filmes dentro da sala de projeção. “É uma mentira isso de que projecionista vê os filmes aqui de dentro. Ver por aquele buraquinho é horrível. Sem falar que você fica preocupado se está tudo passando bonitinho. É melhor não ver. Só em uma sala de cinema”, avalia.

Longe do tapete vermelho, a estrela anônima do Festival de Gramado diz saber lidar com os diretores de cinema, em sua maioria exigentes com a qualidade da projeção. Alguns, inclusive, o procuram para fazer testes antes da exibição. “Todos os diretores são difíceis, porque eles acham que o filme deles é o filho deles. Então você não pode falar mal do filho do cara. Mas eu estava preparado para lidar com esse tipo de público”, justifica.

A paixão pelo trabalho é tanta que não o deixa sequer pensar em aposentadoria. “Eu quero morrer em pé trabalhando. Com saúde, eu quero fica trabalhando. Não quero me aposentar, não”, conclui.

O Festival de Cinema de Gramado começou na última sexta-feira (8) e vai até o próximo sábado (16), quando ocorre a cerimônia de premiação e entrega dos Kikitos. Ao todo, 44 filmes disputam a mostra competitiva em quatro categorias: longa-metragem nacional, longa-metragem estrangeiro, curta-metragem nacional e curta-metragem gaúcho.

- Serviço
42ª Festival de Cinema de Gramado
Data:
De 8 a 16 de agosto
Onde: Palácio dos Festivais (Av. Borges de Medeiros, 2697)
Quanto: De R$20 (sessão) a R$ 100 (premiação)

- Todos os filmes da mostra competitiva
Longa-metragem nacional

"A despedida" (2014), de Marcelo Galvão (SP)
"A estrada 47" (2014), de Vicente Ferraz (RJ)
"A luneta do tempo" (2014), de Alceu Valença (RJ)
"Esse viver ninguém me tira" (2014), de Caco Ciocler (DF)
"Infância" (2014), de Domingos Oliveira (RJ)
"O segredo dos diamantes" (2014), de Helvécio Ratton (MG)
"Os senhores da guerra" (2014), de Tabajara Ruas (RS)
"Sinfonia da necrópole" (2014), de Juliana Rojas (SP)

Longa-metragem estrangeiro
"Algunos dias sin musica" (2013), de Matías Rojo (Argentina/Brasil)
'El critico" (2014), de Hernán Guerschuny (Argentina)
"El lugar del hijo" (2013), de Manuel Nieto (Uruguai)
"Esclavo de dios" (2013), de Joel Novoa (Venezuela)
"Las analfabetas" (2013), de Moisés Sepúlveda (Chile)

Curta-metragem nacional
"A pequena vendedora de fósforos" (2014), de Kyoko Yamashita (RS)
"Brasil" (2014), de Aly Muritiba (PR)
"Carranca" (2014), de Wallace Nogueira e Marcelo Matos de Oliveira (BA)
"Carta a uma jovem cineasta" (2014), de Luiz Rosemberg Filho (SC)
"Compêndio" (2014), de Eugênio Puppo e Ricardo Carioba (SP)
"Contínuo" (2013), de Carlos Ebert e Odécio Antônio (PB)
"História natural" (2014), de Júlio Cavani (PE)
"La llamada" (2014), de Gustavo Vinagre (SP)
"Max Uber' (2014), de André Amparo (MG)
"O clube" (2014), de Allan Ribeiro (RJ)
"O coração do príncipe" (2014), de Caio Ryuichi Yossimi (SP)
"O que fica" (2014), de Daniella Saba (SP)
"Se essa lua fosse minha" (2013), de Larissa Lewandowski (RS)
"Sem Título #1: Dance of Leitfossil" (2014), de Carlos Adriano (SP)

Fonte: G1