Cover homenageia Hebe Camargo, que faria 86 anos neste domingo, 8

Jaime Braz, de 56 anos, 'encarna' a apresentadora há três anos em shows pelos quais cobra R$ 400: 'Não quero ser caricata. É tudo com respeito'.

Jaime Braz Tarallo nunca esteve pessoalmente com Hebe Camargo. Mas há três anos, um pouco antes de sua morte, começou a "conviver" com a apresentadora diariamente. Ele é crossdresser, promove a festa Rainha Cross, em São Paulo, e com a ajuda de um maquiador, passou a encarnar a personagem Lizz Camargo, que hoje é cover da maior diva que a televisão brasileira conheceu. "Não quero ser caricata. Tudo é feito com muito respeito. Quando o maquiador me virou para o espelho, não me reconheci. A primeira vez que entrei em um lugar como Lizz todo mundo me chamou de Hebe", conta Jaime, que hoje se debruça sobre a história da loiruda: "Assisto a videos e ouços suas gravações diariamente. No próximo dia 21, na minha festa mensal, farei uma homenagem a ela no palco".

Neste domingo, 8, quando Hebe faria 86 anos, Jaime vai se valer de seu perfil no Facebook para prestar sua homenagem. "Vou colocar várias fotos dela, escreveu um texto e apenas uma  foto minha de Lizz", adianta ele, que já se encontrou com familiares da apresentadora enquanto estava montado: "Na festa do Fernando Pires estava o sobrinho dela, que me cumprimentou e disse que ficou emocionado".

Jaime conta que decidiu também fazer aulas de canto para começar a cantar o repertório de Hebe. "Se é para fazer, que seja direito. Como disse, não sou apenas uma pessoa que vai lá imitá-la. Hebe tinha tanta naturalidade que preciso seguir essa linha. Este era seu maior dom. Então, não é difícil encarná-la", avalia.

 Para ajudá-lo na criação de sua personagem, Jaime conta com uma estilista que copia os figurinos mais emblemáticos de Hebe Camargo. "Duas empresas de perucas agora vão me fornecer perucas realmente idênticas as que ela usava. As joias, claro, são réplicas. Não teria esse aparato todo", conta Jaime, que cobra R$ 400 por evento: "Fico entre uma e duas horas fazendo a apresentação, onde dublo e entrevisto as pessoas da plateia".

Ele só não tem ainda um sofá. "Mas esse projeto existe, ter um talk show, como ela fazia, no palco. Mas, claro, Hebe só existiu uma. Não quero substituí-la, Quero apenas fazer essa homenagem a uma mulher como poucas".




 

Fonte: EGO