Caverna com centenas de cabeças decapitadas de crianças é achada

caverna foi aparentemente usada em rituais fúnebres.

Uma caverna onde os homens da Idade do Bronze despejavam as cabeças decapitadas de crianças mortas foi descoberta no terreno de uma escola pública da Escócia, onde o príncipe da família real britânica, Charles, estudou.

Os arqueólogos fizeram a descoberta sombria em uma parte remota da propriedade de Gordonstoun, perto de Inverness. A caverna foi aparentemente usada em rituais fúnebres de 1.100 a.C a 900 a.C pelos clãs dominantes da Escócia, na época.

Especialistas dizem que os clãs jogavam os corpos na caverna para decomposição, de modo que os ossos poderiam, eventualmente, ser recuperados. Eles também dizem que há indícios de que o local foi usado posteriormente para execuções. Ian Armit, professor de arqueologia na Universidade de Bradford, disse que a caverna parecia ter sido usada para rituais funerários elaborados, incluindo separação de órgãos e desmembramento para exibição de ritual de cabeças.

De acordo com o editor de ciência da Sunday Times, Jonathan Leake, o professor Armit, durante o Festival Britânico de Ciência, disse: “as cavernas tiveram um grande significado simbólico para os seres humanos adiantados. Elas estão à beira da terra, vão do claro ao escuro, tudo que simboliza a transição da vida para a morte. Elas eram frequentemente utilizadas nos ritos fúnebres. Decepar a cabeça também era comum na pré-história. É uma característica comum da caça para veneração ancestral. Nesta caverna, existente desde o final da Idade do Bronze, há evidências de crianças mortas, com suas cabeças cortadas, para exibição na entrada”.

Armit acrescentou que a terra em torno das cavernas era habitada por tribos de “pictos”, que estavam no comando da maior parte da Escócia. A caverna é uma das muitas encontradas nas terras de Gordonstoun.


Image title

Image title

Fonte: Com informações do Jornal Ciência