Cientistas apresentam "nova teoria" sobre a formação da Terra

A revelação foi publicada nesta quarta-feira (15) na revista "Nature"

Em experimentos nos quais foram replicadas as condições da formação da Terra, os cientistas Anke Wohlers e Bernard Wood, da universidade britânica de Oxford, observaram que a crosta e o manto terrestre apresentam uma "relação de metais raros", como samário e neodímio, mais alta que a da maioria dos meteoritos, a partir dos quais se supõe que "cresceu a Terra". A revelação foi publicada nesta quarta-feira (15) na revista "Nature".
Em 2012, uma equipe de cientistas do Centro Nacional francês de Pesquisas Científicas (CNRS) já havia descoberto que a formação da Terra, ao contrário do que era pensado até então, não ocorreu pela colisão de um só tipo de meteorito. Agora, nesta pesquisa, foi descoberto que a adição de meteoritos não metálicos (rochosos) e ricos em sulfeto, como os presentes em Mercurio, podem ter provocado essa anomalia.

O novo contexto também pode servir para explicar, segundo os autores no texto, por que "a abundante presença de certos elementos raros" encontrados no manto da Terra não bate com as teorias vigentes até agora sobre a formação do planeta. Um "corpo similar" ao do planeta Mercúrio pode ter sido um dos "ingredientes-chave" para que o núcleo da Terra incorporasse em suas origens a fonte de energia responsável da criação de seu campo magnético.

Esses meteoritos não metálicos, conhecidos também como condritos de enstatita, podem ter contribuído para a formação de um núcleo terrestre rico em sulfeto capaz de abrigar urânio e tório o suficiente, com os quais se alimenta o "geodínamo", responsável pela existência do campo magnético terrestre.

Estudos anteriores tentaram explicar a alta relação de samário e neodímio considerando a possibilidade de que exista um "depósito oculto" com uma "relação complementar baixa" desses elementos no manto terrestre ou que esse material tenha sido despejado da Terra por colisões.

Os autores lembram que outros modelos baseados em uma Terra "menos oxidada" e "baixa em sulfeto" apresentaram cenários nos quais elementos geradores de calor foram incapazes de dissolver um núcleo terrestre rico em ferro.

As descobertas de Wohlers e Woods parecem resolver o "problema da desconhecida fonte de energia do dínamo", segundo destaca em outro artigo publicado nesta quarta-feira pela "Nature" o cientista Richard Carlson.

Em seu texto, intitulado "Uma nova teoria sobre a formação da Terra", Carlson indica que seus experimentos exploram as consequências derivadas da teoria que sugere que "blocos de construção" que criaram a Terra mudaram "sistematicamente" sua composição durante o processo de formação.

"Seus resultado nos levam à intrigante conclusão que se a formação da Terra começou com blocos de construção muito reduzidos quimicamente, o núcleo metálico do planeta poderia conter urânio suficiente para alimentar a convecção que criou, e manteve, o campo magnético da Terra durante mais de três bilhões de anos".

 

Fonte: UOL