Edição histórica da 'Charlie Hebdo' será vendida no Brasil por R$ 29,90

O preço de capa será de R$ 29,90 e haverá apenas exemplares em francês

A edição histórica do semanário satírico Charlie Hebdo lançada na última quarta-feira (14) chegará ao Brasil na próxima segunda (26). A edição é a primeira depois que a redação da publicação em Paris foi alvo de um atentado terrorista no dia 7 deste mês, que terminou com doze mortos.


Segundo a Dinap, responsável pela distribuição do semanário no Brasil, 10 mil exemplares serão disponibilizados em bancas de jornal de São Paulo, Rio de Janeiro e outras quinze capitais e também em livrarias. O preço de capa será de R$ 29,90 e haverá apenas exemplares em francês.

A edição especial do semanário trouxe na capa uma charge de Maomé chorando, segurando um cartaz com a frase “Je suis Charlie” (Eu sou Charlie), que se tornou a mais forte nas marchas contra o terror e a favor da liberdade de expressão que tomaram Paris e várias outras cidades do mundo nos dias seguintes ao atentado.

A nova capa também foi alvo de protestos em países como Afeganistão, Irã, Chechênia, Paquistão. No Níger, manifestantes incendiaram igrejas, destruíram bares e bloquearam várias estradas do país ao longo de dois dias de protestos que resultaram em dez mortes.

Procura

Na França, filas se formaram diante das bancas de jornais na manhã do lançamento da primeira edição do Charlie Hebdo publicada depois dos atentados. No centro de Paris, os exemplares esgotaram rapidamente.

Com tiragem normal de 60 mil cópias, o Charlie Hebdo teve de aumentar a tiragem da edição histórica, inicialmente para 1 milhão, depois para 3 milhões e, no último sábado (17), o semanário anunciou que aumentaria novamente a tiragem, para 7 milhões de exemplares.

Além da edição impressa, o periódico disponibiliza seu último exemplar em sua página na internet. Podem acessar assinantes, aqueles que fizerem alguma doação ou as pessoas que tiverem um código de assinatura que permita a visualização do jornal no smartphone.

Clique aqui e curta o Meionorte.com no Facebook

Fonte: VEJA