Fotos mostram rotina de prostituta e desconstroem estereótipos

'O sexo era a menor parte do trabalho', disse a autora do trabalho.

O debate ao redor da legalização, dos direitos trabalhistas e até mesmo do significado pessoal e social da prostituição é importante e espinhoso. Opiniões divergentes e sentidos múltiplos não faltam, tanto para a afirmação feminina de maneira geral quanto para os direitos dessas trabalhadoras e cidadãs.

A fotógrafa Alicia Vera trabalhava como assistente de marketing para clubes de strip em São Francisco, nos EUA, quando decidiu começar a fotografar as strippers. Foi assim que conheceu Eden, uma das dançarinas, que trabalhava também como profissional do sexo. Assim que Vera viu Eden pela primeira vez, percebeu que havia nela uma energia especial. Ela então decidiu registrar a vida cotidiana de Eden, para além de somente seu ofício. Eden topou, e as duas imediatamente se tornaram amigas.

A grande surpresa para Vera foi perceber que o ofício de Eden era quase que em sua totalidade como um trabalho de escritório qualquer. O sexo de fato representava parte diminuta do seu dia a dia. Na maior parte do tempo, Eden trabalhava com divulgação e organização de seu negócio.

“O sexo era a menor parte do trabalho. Durava entre 10 a 15 minutos. Depois que o cliente ia embora, o resto do tempo era ela postando anúncios novamente”. O desejo então também se tornou mostrar que ela não era somente uma prostituta – o trabalho era uma parte de sua vida, e nada mais.

Para Vera, o mais importante desse projeto é ilustrar a vida cotidiana e normal de uma profissional. “Eu não o vejo como um projeto sobre uma prostituta”, ela diz, “mas sim sobre uma mulher tentando se encontrar”. As fotos mostram que somos todos humanos, enfrentando os mesmos dilemas emocionais, as mesmas frustrações, irmanados pelas dificuldades que toda vida possui, independentemente de nossas profissões.


Fonte: Com informações do Hypeness