Mineira cria tática divertida 'do dentinho' para fugir das cantadas nas ruas

Antes de ele falar alguma coisa eu soltei logo a careta do dentinho. Ele achou tão estranho que passou reto”, brinca.

Andar desacompanha pelas ruas de Belo Horizonte não era uma tarefa fácil para a estudante Débora Adorno. Para fugir das cantadas mal intencionadas que sempre lhe causavam constrangimento, a estudante desenvolveu uma estratégia inusitada e que tem surtido efeito, a “careta do dentinho”.

 “Estava perto da rodoviária, e quem conhece a região sabe que lá os passeios e ruas ficam lotados de vendedores ambulantes. Uma das ruas estava bem cheia e fui obrigada a andar mais devagar. As cantadas começaram de forma agressiva e eu me senti presa, impotente e quase sufocada mesmo”, relata. Diante da situação, a jovem resolveu se defender com uma de suas marcas registradas. “Um cara veio na minha direção me encarando. Antes de ele falar alguma coisa eu soltei logo a careta do dentinho. Ele achou tão estranho que passou reto”, brinca.

A estudante conta que depois de começar a usar essa técnica, onde encolhe o lábio superior e deixa dentes e gengivas à mostra, o constrangimento foi inverso. Segundo ela, as palavras desrespeitosas e situações constrangedoras pararam e alguns homens chegam a ficar sem reação diante da careta que ela faz. “Depois disso, choveu um arco-íris dentro de mim, porque de uma hora pra outra não era mais eu quem estava desconfortável. De uma hora pra outra não era mais eu quem estava desviando o olhar, não era mais eu quem estava apertando o passo”, comemora.

No Facebook, onde compartilhou toda a situação, Débora Adorno recebeu apoio de conhecidos e desconhecidos. Até as 20h30 desta terça-feira (17), o post na internet tinha mais de 19 mil visualizações. A  careta já conquistou várias adeptas. “Migaaa, adorei seu relato e já fiz essa maravilhosidade tb (mamãe me ensinou a arte do dentinho desde nova). Dentinhos unidos espantam pervertidos”, brinca uma jovem na publicação.

Para Débora, essa simples brincadeira levanta uma questão vivida por quase todas as mulheres, que são obrigadas a se desviar deste tipo de comportamento, quase que diariamente. “O problema não é se eu estava acompanhada ou não, se eu sou bonita ou não, nem se eu estava de decote ou não. O problema são os homens acharem que meu corpo é público, acharem que tem o direito de me abordar e me constranger. Eu não sou um pedaço de carne”, disse Débora.

Fonte: G1