Novo 'Zorra' surpreende público com humor rápido e ousado

O programa estreou no último sábado

Após uma queda brusca na audiência, e uma grande rejeição do público, a Globo resolveu dar uma verdadeira repaginada no programa Zorra Total. E isso tudo começou na direção, Maurício Sherman, que ficou conhecido por comandar o programa humorístico por anos, deu lugar a Marcius Melhem, Maurício Farias e Marcelo Adnet. Isso tudo porque segundo eles, o humor de Maurício Sherman já estava ultrapassado na grade.

De acordo com informações, na mudança chegou a se pensar até em um novo nome do programa, mas o comercial da emissora declarou que era melhor não. Então depois de muita discussão, ficou apenas em: Zorra, para segurar aquele público que ainda parava para assistir o programa.

E para quem assistiu o programa no sábado viu que a mudança foi gigantesca. Praticamente nada do antigo Zorra permaneceu. Nada de cenários, nem bordões. Era uma mistura de tudo, várias cenas interligadas umas as outras, uma proposta ousada que combina com o novo estilo de humor misturado com a tecnologia.

Novo 'Zorra'

Os telespectadores observaram que a linha musical do antigo Zorra Total continuou, porém dessa vez com um tom de ironia e uma letra audaciosa. Como citando a idade da apresentadora Glória Maria e admitindo que se a nova versão não der certo, irão todos parar na Rede TV!. O que é um milagre ver um programa da Globo citando o nome de outra emissora.

As redes sociais imediatamente reagiram, e de maneira maciçamente positiva. No Twitter e no Facebook, os comentários eram de agrado e surpresa. Claro que havia gente descontente, mas onde já se viu um programa de humor ser aprovado por unanimidade? A audiência também respondeu bem. Segundo dados preliminares do Ibope, o novo Zorra cresceu 10% em audiência em relação à semana anterior, atingindo pico de 22,5 pontos na Grande São Paulo e média de 19,5.

A comparação mais imediata é com Tá no Ar, esquetes rapidíssimos, cenários mirabolantes, irreverência. Os quadros mais longos foram justamente os que menos funcionaram.

Fonte: Com informações da Folha