“Rastro” misterioso surge no céu da Sibéria e gera polêmica

“Rastro” misterioso surge no céu da Sibéria e gera polêmica

Residentes na cidade de Barnaul, nas margens do rio Ob, capturaram o mistério em fotos e vídeos

Uma espécie de “nuvem” misteriosa causou diversas reações entre os moradores de uma cidade da Libéria na última segunda-feira. O rastro de luz no céu alaranjado tem um formato de diversos círculos e zigue-zagues – tornando impossível, por exemplo, ter sido feita por um jato comum. Algumas pessoas levantaram a suspeita de ser o rastro deixado por um óvni. As informações são do Daily Mail.

Nenhuma confirmação oficial foi dada pelas autoridades sobre o que teria causado o desenho no céu, mas a forma “artística e estranha” é, provavelmente, o rastro de algum foguete – que teria sido lançado pouco antes de as pessoas tirarem as fotos. Especialistas dizem que os padrões são consistentes com a segunda fase de desengajamento das peças usadas para o foguete cair de volta à Terra.

Residentes na cidade de Barnaul, nas margens do rio Ob, capturaram o mistério em fotos e vídeos.

A região siberiana de Altai é perto da pista de lançamento do foguete Proton-M, que teria decolado na mesma manhã, na fronteira com o Cazaquistão. Nessa região, é bastante comum que detritos espaciais caiam causando alguns “fenômenos” curiosos.

De acordo com especialistas, o frio extremo da região permite a criação dessas nuvens, pelo encontro do vapor quente dos destroços com o ar gelado.

Natalia Pavlova, chefe do planetário de Barnaul, disse que os padrões da nuvem podem ter sido causados pelo lançamento do foguete, mas ressaltou que também poderia ser determinado por meteoros. No entanto, não houve relatos deste fenômeno no dia.

Residentes na Rússia estão se acostumando a ver luzes misteriosas no céu. No mês passado, uma explosão inexplicada foi testemunhada em Yekaterinburg, a quarta maior cidade do país.  Meteoritos, mísseis, um acidente de avião e até mesmo de atividade extraterrestre estavam entre as muitas teorias propostas para explicar o incidente, em 14 de novembro.

Fonte: TERRA