Escolha de Claudia Leitte para madrinha da Parada Gay gera polêmica

Claudia Leitte disse em entrevista que ela não queria filho gay.

A notícia caiu como uma bomba no meio LGBT. O combativo GGB (Grupo Gay da Bahia) escolheu a cantora Claudia Leitte para madrinha da Parada Gay de Salvador. Para uma boa parte da militância, a escolha soa equivocada já que a cantora de axé nunca esclareceu de forma assertiva seu depoimento sobre ter um filho gay feito em uma entrevista para a transexual Léo Áquila e também nunca teve um posicionamento claro na defesa dos direitos homossexuais.

Em resposta a isso, um abaixo assinado já começa a circular pela internet pedindo para o GGB reconsiderar o convite feito a Claudia Leitte. ?Neste ato, nós militantes em defesa da plena cidadania e igualdade de direitos LGBTs, envolvidos na luta pelo combate a homofobia e a transfobia, solicitamos ao prof. dr. Luiz Mott e demais representantes do GGB (Grupo Gay da Bahia), pessoas com admirável histórico de luta, de reconhecido esforço e incansáveis na defesa dos direitos humanos dos homossexuais no Brasil, que repensem a escolha da cantora Claudia Leite para ser a madrinha da 11ª Parada LGBT da Bahia?, começa o texto.

?Como muitos sabem e podem verificar em vídeo amplamente divulgado durante uma entrevista concedida a um programa de TV em rede nacional, Claudia Leitte e seu marido declararam que NÃO gostariam que o filho fosse gay , mas que fosse MACHO (sic)?, prossegue.

?E embora a cantora tenha buscado retratar-se em seu blog, retratação apenas reafirmou sua posição diante da questão LGBT, o que nos faz ficar certos de que a cantora não tem nenhum envolvimento com a causa LGBT. [...] Solicitamos que elejam como madrinha da 11ª Parada LGBT da Bahia uma pessoa que de fato represente este movimento, cuja figura pública seja agregadora na luta contra o preconceito e a discriminação que tanto sofremos, que seja um ícone para darmos visibilidade a causa na defesa e garantia de direitos civis LGBT, que seja a figura pública solidária do respeito a vida. E se eu ainda pudesse ter um filho, eu só iria desejar que ele fosse feliz!?, finaliza o texto do abaixo-assinado.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br