Monique e namorada dizem que só sofrem preconceito da igreja

Com apenas um mês de relacionamento, jovem se mudou para sua casa

O casal Monique Evans, 59 anos e Cacá Werneck, 31, já namoram há nove meses. Desde que iniciaram o romance, as duas não se desgrudaram mais. Com apenas um mês de relacionamento, a DJ se mudou para a casa da apresentadora e Cacá disse que elas nunca sofreram preconceito ou resistência de amigos ou familiares.

Image title


"O único preconceito que a gente enfrenta é o da igreja e que até acho que existe muita hipocrisia porque tem muita gente dentro da igreja que é homossexual. Como a Monique é cristã e ela é da igreja, ela sofreu e ainda sofre preconceito com essa parte. Eles acham que quem é homossexual é do diabo, não vai pro céu. Acho que julgar é pecado, isso sim é pecado diante de Deus. Amor verdadeiro não é pecado, mas cada um tem uma cultura, uma doutrina, pensa de um jeito e se a igreja pensa assim é um problema deles", contou Cacá.

Monique Evans explicou que as ofensas geralmente acontecem por pessoas que dizem ser evangélicas pela internet e nunca pessoalmente, já que parou de frequentar a igreja depois que começou seu namoro com Cacá por receio dos julgamentos. A apresentadora costumava ir em cultos nas igrejas batistas, que estão incluídas no Protestantismo

"Sofremos preconceito de alguns evangélicos nas redes sociais. Nem fui mais à igreja depois que assumi meu namoro. Não é a questão do pastor, é a das pessoas que frequentam, não quero ninguém me olhando e me julgando. A igreja foi feita para os pecadores. Continuo orando, acreditando nas mesmas coisas, lendo a Bíblia. Sou cristã protestante", disse Monique.

Image title


A DJ, que nunca se envolveu com homens, e diz que é lésbica desde que nasceu, assumiu cedo para a família sua opção sexual. Apesar de ter namorado outras mulheres, foi Monique Evans quem mexeu com seu coração e fez Cacá deixar a casa da mãe, em Ipanema, zona sul do Rio, para dividir o teto com a loira, que até então nunca tinha vivido uma relação gay.

"Acho que um relacionamento não precisa ir para um papel para se tornar ainda mais forte, isso é uma consequência, se acontecer vai ser um prazer, porque a gente se ama muito. Mas não é uma coisa necessária pra gente se amar ainda mais. A gente já se considera casada. Vivemos todos os dias da nossa vida juntas, isso é o que valoriza e é um casamento mesmo", opina.

A prova de que as duas estão juntas "na saúde e na doença" é a assistência que Cacá deu para Monique quando ela saiu de uma clínica psiquiátrica em 2014, para tratar transtornos como depressão e bipolaridade.

"A Monique melhorou 80% neste lance de depressão, esses 20% que sobram a gente se ajuda porque eu também tenho probleminhas de depressão. Tenho uma TPM fortíssima, fico deprimida e estou sempre do lado dela, ela sempre do meu. Nunca fui tão feliz como uma pessoa como sou com ela.", conta.

A diferença de idade não atrapalha o relacionamento das duas. Pelo contrário, a DJ conta que amadureceu com o namoro e que elas vivem um amor seguro, sem desconfianças.

Símbolo sexual dos anos 80, Monique Evans foi referência de beleza para muitas mulheres da época e lançava moda. Prova disso, é que a mãe de Cacá Werneck, Dilcéia Rocha, madrinha de bateria da Unidos da Tijuca por muitos anos, a via como uma referência.


Fonte: Com informações do UOL