Filme "Avatar" já ocupa 3º lugar em arrecadação da história

Filme "Avatar" já ocupa 3º lugar em arrecadação da história

A bilheteria já chega a US$ 731,2 milhões

"Avatar" agora está no terceiro lugar da lista de maiores bilheterias mundiais da história do cinema. O épico de ficção-científica de James Cameron arrecadou US$ 1,1 bilhão até terça-feira, ultrapassando "Piratas do Caribe: o Baú da Morte", que fez US$ 1,07 bilhão nas bilheterias em 2006. E está alcançando "O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei", que arrecadou US$ 1,12 bilhão em 2003.

O blockbuster de Cameron de 1997, "Titanic", continua no primeiro lugar da lista, com US$ 1,84 bilhão no mundo todo. Até a semana que vem "Avatar" deve se aproximar de "Titanic", e há quem acredite que ele possa ficar em primeiro lugar.

As bilheterias de "Avatar" até agora incluem US$ 367,5 milhões na América do Norte e US$ 731,2 milhões no resto do mundo.

Na China

Em seus dois primeiros dias de projeção, "Avatar" quebrou recordes de bilheteria na China, obtendo US$ 9,7 milhões de arrecadação, apesar das baixas temperaturas.

A arrecadação do dia da estreia, na segunda-feira, foi de US$ 4,8 milhões (33 milhões de iuanes), por isso que o filme com os atores Sam Worthington e Zoe Saldana nos papéis principais, que já arrecadou mais de US$ 1 bilhão desde sua estreia mundial no mundo, pode romper todos os recordes na China.

E isso ocorreu apesar de Pequim registrar temperaturas mais gélidas da década, com uma média de -10º na segunda-feira, e do alto custo da entrada para a versão em 3D, de US$ 22.

"Batemos o recorde de bilheteria nos primeiros dias de estreia", assinalou nesta quinta-feira Fay Xie, diretora de operações da produtora e distribuidora 20th Century Fox International China.

Com "Avatar", Cameron parece destinado a fazer história novamente na China, 11 anos depois do "Titanic" arrecadar US$ 43 milhões.

Esse recorde, por sinal, só foi batido no ano passado, quando "Transformers: A Vingança dos Derrotados" e "2012", que arrecadaram US$ 63 milhões e US$ 67,5 milhões, respectivamente

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br