Filme brasileiro "Besouro" leva para as telas lutas elaboradas

E um senso de vingança puramente "Kill Bill". São muitas as referências pop de "Besouro"

Deuses orixás que parecem Xerxes, o rei persa de "300". Lutas em cima de árvores que lembram "O Tigre e o Dragão".

E um senso de vingança puramente "Kill Bill". São muitas as referências pop de "Besouro", o filme nacional de maior orçamento a ser lançado neste ano, mas nada mais brasileiro do que seu enredo, com capoeira, candomblé e escravidão.

O longa tem estreia no próximo dia 30, em 150 salas de cinema, e vem cercado de expectativas, principalmente após uma popular campanha na internet que atraiu milhares de pessoas para um blog e um canal dentro do YouTube, repleto de vídeos de bastidores e trailers.

"É um fenômeno de internet que nunca aconteceu com um filme brasileiro", diz Paulo Sérgio Almeida, diretor do Filme B, que analisa números do cinema no país. "Tem chance de sucesso, sim, é um filme de ação com as técnicas mais apuradas do mundo. Mas, mercadologicamente, o problema é que se passa no [começo do] século passado e sem ator conhecido."

De fato, os três protagonistas são estreantes. Ailton Carmo, 22, é professor de capoeira e guia turístico de Lençóis (BA). Ele faz o vaidoso Besouro Mangangá, um dos maiores capoeiristas da história, que fez sua fama no Recôncavo Baiano, nos anos 20. No filme, ele tem um melhor amigo, Quero-quero (o também capoeirista profissional Anderson Santos de Jesus), com quem vai disputar o amor de Dinorá (a estudante de teatro Jessica Barbosa).

"Tem gente que ainda vê a capoeira como coisa de malandro, como se bandidos estivessem ali", diz Ailton, que tem 16 anos de capoeira e costuma ir à Bélgica para dar aula. "O filme vai ajudar não só a capoeira, mas outras coisas de nossa cultura também, como o candomblé."

Outro estreante no time é o próprio diretor, o carioca radicado em São Paulo João Daniel Tikhomiroff, 59, premiado publicitário com mais de 40 Leões de Ouro no festival de publicidade de Cannes. Filho de um dos dirigentes do estúdio americano Universal no Brasil, ele fez curtas e foi montador quando adolescente, até que, aos 21 anos, foi parar na publicidade para levantar dinheiro para um longa, nunca acabado.

Agora, ele se cercou de profissionais conhecidos do cinema para fazer "Besouro", escalando gente como a preparadora de elenco Fátima Toledo, o diretor de fotografia equatoriano Enrique Chediak e o chinês coordenador de cenas de ação Huen Chiu Ku.

"O Brasil não tem tradição de filmes de ação. Então eu fiquei pensando: "Como faz Tarantino nos seus filmes? Como foi feito "Matrix"?". Aí descobrimos os chineses", explica João Daniel, que ainda tem Gilberto Gil assinando a canção-tema do filme.

As filmagens foram feitas em quatro locações na Bahia, buscando a natureza exuberante da região, como a turística Lençóis ou Xique-Xique do Igatu, com 360 habitantes.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br