Frota de SP cresce mais rápido que malha viária

Frota de SP cresce mais rápido que malha viária

Em fevereiro, cidade alcançou 6,7 milhões de unidades emplacadas

A cidade de São Paulo chegou a fevereiro de 2010 com um frota de 6,7 milhões de veículos emplacados pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Nos últimos 12 meses, o município ganhou 338 mil unidades e, se mantiver o ritmo de mil emplacamentos por dia, deverá chegar a 7 milhões ainda neste ano.

Especialistas ouvidos pelo G1 afirmam que a ampliação do espaço para circulação de veículos como a Nova Marginal e o Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas não será suficiente para absorver o crescimento da frota.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) afirma que, apesar do crescimento do número total, a frota circulante se restringe a 3,5 milhões de veículos. A CET, no entanto, prefere não comentar o impacto do crescimento da frota sobre as novas obras.

Conselheiro do Instituto de Engenharia e ex-gerente de projetos e obras da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), o engenheiro Ivan Whately afirma que a Nova Marginal estará esgotada menos de um ano após sua inauguração. "A Nova Marginal vai atender a demanda por menos de um ano", afirma.

Superintendente da Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), o arquiteto Marcos Bicalho concorda e afirma que "se não nascer congestionada, a Nova Marginal estará cheia em pouco tempo."

Whately e Bicalho afirmam que a construção do Trecho Sul do Rodoanel tem função estratégica e poderá aliviar o tráfego principalmente na Avenida dos Bandeirantes. No entanto, os dois especialistas reiteram que a principal saída é o investimento em transporte público.

"O congestionamento não é só na marginal e na Bandeirantes, ele está na rede", afirma Whately, que defende uma ideia considerada por ele mesmo polêmica, mas necessária: a criação de uma autoridade de trânsito metropolitana com poder para interferir nas tarifas públicas e interligações de transporte público entre a capital paulista e as cidades vizinhas.

"É impossível expandir o viário e dar certo. Não daria certo em lugar nenhum do mundo", diz Bicalho. "Acho que Rodoanel é obra estratégica e terá impacto positivo, mas a Bandeirantes e a marginal continuarão horríveis", afirma. "A saída é o transporte público."

Fonte: g1, www.g1.com.br