Hollywood ressuscita o filme Deuses do Olimpo

Hollywood ressuscita o filme Deuses do Olimpo

Remake de clássico de 1981 revela alta da mitologia nos cinemas

Depois do lançamento de filmes com temas de histórias em quadrinhos e remakes de produções dos anos 80, Hollywood evocou agora os deuses gregos do Olimpo para seduzir audiências com uma mitologia que, além de épica, demonstrou ser muito rentável.

As recentes estreias de "Fúria de Titãs" e "Percy Jackson e o Ladrão de Raios" já arrecadaram US$ 340 milhões em todo o mundo e sua chegadas aos cinemas foi apenas uma antecipação das novas adaptações dos clássicos que estão por vir.

Os estúdios Universal estrearão "Immortals" em novembro de 2011, história sobre o mito de Teseo, o grego que derrotou o Minotauro, com Mickey Rourke e Freida Pinto, além de "God of War", em que um espartano está disposto a tudo para acabar com o deus da guerra.

Já a Warner lançará "The Odyssey", baseado na obra do poeta grego Homero, que narra a viagem de Ulisses de volta à ilha de Ítaca depois da guerra de Tróia.

O filme terá uma ambientação atual e a Warner quer que Brad Pitt seja o protagonista, que já participou de outra produção milotógica, interpretando Aquiles em "Tróia".

A Fox, por sua parte, ressuscitará em 2011 os argonautas que acompanharam Jasão em sua busca pelo velo de ouro, em "The Argonauts".

Entre os anos 50 e 60 foram feitos vários filmes sobre os mitos gregos, como "Ulisses" (1954), com Kirk Douglas e Anthony Quinn; "Helena de Tróia" (1956), com uma jovem Brigitte Bardot; e várias produções sobre a figura de Hércules, possivelmente o personagem da Antiga Grécia mais vezes retratado pela sétima arte.

"Hercules Unchained" (1959) e "Hércules no Centro da Terra" (1961) são apenas alguns exemplos. Em 1970, Arnold Schwarzenegger deu vida ao personagem em "Hércules em Nova York". Em 1997, foi a vez dos estúdios Disney lançarem "Hércules".

Outro grande sucesso de Hollywood do gênero é "Fúria de Titãs" (1981), que deu origem ao remake atual, que contou com a atuação de Laurence Olivier e Ursula Andress e se tornou um clássico, apesar de seus deficientes efeitos especiais.

Desde então, o interesse pela vida dos deuses gregos e seus conflitos com os humanos caiu em Hollywood, até a aparição de títulos como "Tróia" (2004).

Fonte: Yahoo