Jornalista da ""CBS"" foi violentada sexualmente no Egito, diz emissora

Jornalista da ""CBS"" foi violentada sexualmente no Egito, diz emissora

Em nota, emissora diz que Lara Logan "sofreu brutal ataque" na última sexta

Enquanto cobria a celebração pela queda do presidente Hosni Mubarak, na última sexta-feira (11), a correspondente da emissora americana CBS, Lara Logan, foi cercada por um ?elemento perigoso? no meio da mutidão em festa, foi separada da equipe, agredida e violentada sexualmente, diz a emissora em seu site.

?No meio da multidão, ela foi separada da equipe. Ela foi cercada e sofreu um brutal ataque sexual e espancamento antes de ter sido salva por um grupo de mulheres e cerca de 20 soldados egípcios?, diz a nota. Segundo o texto, havia cerca de 200 pessoas em meio à festa no local onde estava a equipe, que fazia uma reportagem para o programa "60 Minutes".

A correspondente, diz a nota, reencontrou a equipe, retornou ao hotel e aos Estados Unidos no primeiro voo na manhã seguinte. ?Ela está agora em um hospital se recuperando.?

?Não haverá outros comentários da CBS e a correspondente Logan e sua família respeitosamente pedem privacidade neste momento?, diz o texto.

Correspondente-chefe da CBS News, Lara Logan foi uma dos cerca de 140 jornalistas que sofreram algum tipo de agressão ou foram mortos enquanto cobriam a revolta popular no Egito, de acordo com o Comitê pela Proteção aos Jornalistas, dos EUA.

Fonte: g1, www.g1.com.br