Luana Piovani vive delegada federal em novo seriado da Globo

Luana Piovani vive delegada federal em novo seriado da Globo

Atriz teve aulas de tiro e artes marciais para interpretar personagem

Quem se acostumou a ver a atriz Luana Piovani na pele de mulheres sedutoras como a Marquesa de Santos, de "Quinto dos infernos", ou Amanda, do filme "A mulher invisível", vai se surpreender com seu novo trabalho em "Na forma da lei", seriado da TV Globo que tem estreia programada para o dia 15. Luana será Gabriela, uma delegada federal determinada que, junto dos amigos de faculdade, vai tentar reparar um deslize do sistema judiciário, que deixou solto um criminoso.

Como parte da preparação para o papel, ela revela que teve que literalmente partir para a briga num puxado treinamento, que incluiu até o manuseio de armas de fogo.

?Fiz aulas de atemi jitsu, um tipo de arte marcial, de tiro e tática militar. Trabalhar com armas verdadeiras foi o mais difícil e desgastante, tanto física quanto psicológicamente. Para quem nunca mexeu com uma, é algo realmente intenso. Mas fui muito bem assistida", contou a atriz.

Com autoria de Antônio Calmon e direção de núcleo de Wolf Maya, "Na forma da lei" terá oito episódios e será centrado no covarde assassinato de Eduardo, um estudante de Direito. O culpado, filho de um político influente, permanece impune. Oito anos depois, os cinco amigos do rapaz, que presenciam o homicídio, querem fazer justiça, ainda que tardia. Além de Gabriela, entram em ação a promotora Ana Beatriz (Ana Paula Arósio), o juiz Célio Rocha (Leonardo Machado), o advogado Edgar Mourão (Henri Castelli) e o jornalista Ademir Rodrigues (Samuel de Assis), que se reencontram anos depois e acreditam que ainda podem fazer Maurício (Marcio Garcia) pagar pelo crime que cometeu.

"Densidade dramática"

Longe da TV desde que estrelou a novela "Ciranda de pedra", em 2008, Ana Paula Arósio explica o que a motivou a voltar a trabalhar na TV e aceitar o papel da promotora, uma mulher totalmente dedicada à profissão, que quase não destina tempo à vida pessoal.

?O que me faz aceitar uma personagem, acima de tudo, é a densidade dramática. Gosto dos que têm um conflito interior grande. O Wolf sabe que me apaixono por personagens assim. Quando me mandou o texto, imagino que já desconfiasse que eu ia aceitar", disse a atriz, que assim como Luana, também teve aulas de tiro, além de ter estudado Filosofia do Direito e Filosofia Jurídica.

O cruel, frio e psicótico Maurício é o protagonista das cenas mais tensas e violentas do seriado, mas seu intérprete, o ator Marcio Garcia, diz que a carga emocional provocada pelas maldades de seu personagem não chegam a perturbá-lo.

?Assim que acabam as cenas de quebradeira, a adrenalina sobe um pouco. Mas, depois, é só ouvir uma música clássica ou romântica que a coisa acalma. Também tem a molecada em casa, né? Filhos são bons também por causa disso. As crianças são uma superválvula de escape, energizadoras?, destacou.

Inspiração

O autor Antônio Calmon teve a ideia da história depois que participou de uma cerimônia de formatura de uma universidade em 2004. Na ocasião, a turma dedicou a celebração a um colega assassinado em um dos primeiros períodos da faculdade. E, apesar do crítica social que a história possa sugerir, Calmon ? de outros seriados policiais, como "A justiceira" e "Sex appeal" ? faz questão de ressaltar que "Na forma da lei" não é um seriado jornalístico ou político.

"Este trabalho também tem muito mais a ver com os filmes e livros policiais que assisti e li, além de algumas séries norte-americanas que tratam do mesmo tema, como "Law & order" e "CSI". Mas reconheço que o Brasil vive um momento bastante interessante, onde temos jovens juízes e promotores, com outra mentalidade, em intensa atividade. Também fui influenciado por isso".

Fonte: g1, www.g1.com.br