Médico de Michael Jackson será acusado de homicídio culposo

Michael Jackson estampa uma das capas da edição de agosto da Rolling Stone Brasil.

Dr. Conray Murray, médico particular de Michael Jackson, será acusado de homicídio culposo (quando não há intenção em cometer o crime) em até duas semanas, informou o site de notícias da Fox. A rede norte-americana teve contato com uma fonte policial que, inicialmente, estipulou a prisão de Murray até a próxima quarta. Mas os investigadores responsáveis pelo caso - equipe formada por expoentes do Departamento de Polícia de Los Angeles e da agência antidrogas dos EUA - decidiram realizar nova busca em uma farmácia de Los Angeles.

Michael Jackson estampa uma das capas da edição de agosto da Rolling Stone Brasil. Confira um trecho da reportagem aqui.

O dermatologista Arnold Klein, que chegou a clamar paternidade dos dois filhos mais velhos do cantor, morto em 25 de junho, também deverá ser enquadrado pela justiça, por má prática medicinal. Ele, no entanto, não correria o risco de ser preso nas próximas semanas.

Quanto a Murray, o doutor terá duas opções, segundo a fonte: ou se entrega em Los Angeles, ou vai preso em Houston, onde passa temporada. Os investigadores querem construir caso ainda mais forte contra o médico: além de homicídio culposo, ele pode ser acusado por assassinato em segundo grau (a legislação da Califórnia permite que a acusação seja feita, ainda que não haja motivo no ato criminal). Mas os procuradores no caso têm uma preocupação: nesse caso, o júri poderia desistir de condenar o réu, se não fosse apresentado motivo para o ato.

Nesta semana, o médico liberou um vídeo no YouTube, no qual reafirma inocência e diz receber ameças de morte. "Estou com medo de retornar ligações e de usar meu e-mail. Por isso, gravei o vídeo para que vocês saibam que estou recebendo suas mensagens", ele diz, no que foi sua primeira aparição pública desde o 25 de junho. Os advogados de Murray alegaram que a mensagem audiovisual, gravada na semana passada, tinha como destino amigos e família do cliente.

Já a Fox News relatou, após conversa com outra fonte anônima, que o suspeito teria confessado o uso do anestésico Propofol, administrado horas antes da parada cardíaca fatal de Jackson.

O resultado do exame toxicológico que esclareceria a causa mortis de Jackson foi mantido em segredo pelo centro de medicina legal da cidade, a pedido do Departamento de Polícia de Los Angeles.

Na terça, 18, representante da família de Jackson informou que o corpo do cantor será enterrado no cemitério Forest Lawn, em Los Angeles, mais de dois meses após seu falecimento. A data escolhida é 29 de agosto, quando o astro, vivo fosse, completaria 51 anos.

Fonte: Terra, www.terra.com.br