Médico será indiciado após morte de jornalista

Médico será indiciado após morte de jornalista

Ela também informou que o cirurgião Hackel Cabral será indiciado por homicídio doloso

A jornalista Lanusse Martins, que morreu no último dia 25, durante uma cirurgia de lipoaspiração, foi vítima de erro médico, segundo afirmou nesta sexta-feira (29) a delegada que preside o caso, Martha Vargas. Ela também informou que o cirurgião Hackel Cabral será indiciado por homicídio doloso com dolo eventual (quando o médico assume o risco de matar) e pode pegar de seis a 20 anos de prisão.

Por telefone, o G1 tentou entrar em contato com o cirurgião e ainda aguarda o retorno das chamadas.

O laudo da morte de Lanusse, divulgado pela Polícia Civil do Distrito Federal nesta sexta, revela que a jovem teve uma veia perfurada na região renal durante a cirurgia e chegou a perder quase um terço do sangue do corpo. O rim não foi perfurado.

"Houve dois erros médicos: um, pela cânula ter ultrapassado a cavidade abdominal. O segundo, [pelo médico] não perceber o que estava acontecendo. Ela deveria ter sido aberta imediatamente e ter sido estancado [o sangramento]. Isso poderia salvar sua vida", disse a delegada.

Anestesista alertou

Martha Vargas afirmou ainda o anestesista avisou ao cirurgião de que haveria algo errado e pediu para parar a cirurgia. "Ao não abrir a paciente, ele assumiu o risco", disse.

De acordo com o perito Gilberto Alves, o processo de reanimação, que levou cerca de 1h15, diante de uma parada cardíaca, estava correto. No entanto, ele pode ter aumentado a vazão de sangue e piorado a situação.

Martha afirmou que o médico será ouvido "oportunamente." No momento, ele cumpre um atestado médico.

Perita

Segundo a perita Luciana Satie, foram 15 perfurações no corpo de Lanusse, -previstas para cirurgia-, com características de terem sido feitas com um instrumento como uma cânula. Ela afirmou que duas perfurações podem ter atingido a veia: uma, abaixo do umbigo e outra, na região perto do osso da bacia.

Lanusse perdeu pelo menos 1,5 litros de sangue. De acordo com a perita, esse total pode ser ainda maior. Para uma pessoa com o peso e altura da jornalista, o total de sangue do corpo é de cerca de 4,5 litros.

Fonte: g1, www.g1.com.br