MinC lança edital de apoio a bibliotecas em todo o País

Aporte de recursos no setor saltou de R$ 6 milhões, em 2003, para R$ 95 milhões em 2009 crescimento superior a 1.500%

O Ministério da Cultura vai investir R$ 30,6 milhões em 300 bibliotecas públicas brasileiras para a modernização dos equipamentos, a construção dos espaços em distritos, bairros periféricos ou zonas rurais e a adequação do local, acervo, programação e atendimento às pessoas portadoras de deficiência. Prefeituras municipais e governos de estados podem apresentar seus projetos, pleiteando uma verba que varia de R$ 85 mil a R$ 115 mil, por meio do Edital Mais Cultura de Apoio às Bibliotecas Públicas. As inscrições encerram-se em 15 de junho. O edital é mais uma das ações do MinC visando a democratização do acesso ao livro e o fortalecimento do sistema de bibliotecas públicas do país. Entre 2003 e 2009, o MinC investiu mais de R$ 286 milhões em políticas públicas de incentivo à leitura e acesso ao livro. O aporte de recursos no setor saltou de R$ 6 milhões, em 2003, para R$ 95 milhões em 2009, por meio do Mais Cultura – crescimento superior a 1.500%. Neste período, foram implantadas mais de 1.200 bibliotecas públicas municipais e modernizadas 509. Desde o final de 2007, com a instituição do Programa, as ações de livro e leitura foram impulsionadas dentro do MinC. Apenas no período de 2009 e 2010 o programa está investindo R$ 156,6 milhões, mais a contrapartida dos estados e municípios de R$ 34 milhões, em ações para o livro e leitura. Para este ano, além do Edital Mais Cultura de Apoio às Bibliotecas Públicas estão previstos R$ 21 milhões para a implantação de 420 bibliotecas e R$ 8,5 milhões para modernização de 250 bibliotecas em cidades com até 20 mil habitantes. Até o fim do ano serão investidos mais R$ 14,3 milhões em equipamentos de grande porte e bibliotecas onde funcionam as coordenações estaduais do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP). Estão contempladas neste recurso: a Biblioteca de Cruzeiro do Sul (2ª parcela); Biblioteca Digital Latinoamericana, no Pará; Biblioteca Pública de Santa Catarina; Biblioteca Pública do Rio Grande do Sul; Biblioteca Thiago de Mello (2ª etapa); Biblioteca de Referência de Canoas, no Rio Grande do Sul; e Biblioteca Pública do Rio de Janeiro. As ações estão em consonância com o Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), que prevê como eixos principais a democratização do acesso ao livro e leitura, o fomento à leitura e formação de mediadores, a valorização da leitura e comunicação e o fomento da economia do livro. Três formas de participação no edital Cada prefeitura municipal poderá apresentar seu projeto em apenas uma das três categorias do Edital Mais Cultura de Apoio às Bibliotecas Públicas: I – Apoio a bibliotecas públicas municipais; II – Implantação de bibliotecas de bairro, distritais e/ou rurais; III – Apoio a bibliotecas acessíveis. Esta última está aberta também para governos estaduais. A pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), encomendada pelo Ministério da Cultura (MinC) – divulgada nesta sexta-feira, dia 30 de abril -, mostra que nem 10% das bibliotecas públicas municipais (BPMs) prestam serviços a pessoas com deficiência ou estão adequadas a atendê-las. O levantamento aponta ainda que a maior parte das bibliotecas tem acervo de até 5 mil volumes e constituído por doação, que menos da metade das BPMs tem Internet e que 56% oferecem programação cultural. Diante deste diagnóstico é fundamental a requalificação deste equipamento público, afirma o diretor de Livro, Leitura e Literatura da Secretaria de Articulação Institucional do MinC, Fabiano dos Santos Piúba. “Este edital de caráter inédito vem atender uma demanda reprimida das bibliotecas públicas do país. É a primeira vez que os gestores poderão apresentar seus projetos de forma livre e autônoma, solicitando o apoio e trabalhando como parceiros do MinC”, aponta. Na categoria I, o MinC irá apoiar até 170 bibliotecas públicas municipais investindo, no máximo, R$ 115 mil em cada um delas. Os recursos poderão ser usados para a aquisição de acervo; formação de mediadores e agentes de leitura; capacitação de gestores das bibliotecas; criação de programação sociocultural, a partir de um plano anual de atividades; compra de equipamentos, mobiliário e demais itens de ambiência, que melhorem as condições de funcionamento da biblioteca; e a reforma do espaço físico. Na categoria II, de implantação de bibliotecas de bairros, distritos ou zona rural, o MinC irá apoiar a criação de até 100 bibliotecas, no valor máximo de R$ 85 mil/cada. Os recursos poderão ser usados para a aquisição de acervo e de equipamentos, mobiliário e itens de ambiência, que melhorem as condições de funcionamento da biblioteca; criação de programação sociocultural, a partir de um plano anual de atividades, e reforma física do espaço. “O objetivo desta ação é facilitar o acesso a materiais de leitura em regiões normalmente distantes da esfera municipal, de maneira a oferecer a toda população a possibilidade de usufruir de equipamentos culturais de qualidade”, afirma Silvana Meireles. Na categoria III, de apoio a bibliotecas acessíveis, o MinC irá investir R$ 85 mil para cada projeto, totalizando 30. O valor poderá ser aplicado para a compra de acervo e de equipamentos e mobiliário acessíveis, capacitação de funcionários voltados para aperfeiçoar a gestão e o atendimento e serviços oferecidos aos usuários com deficiência; reforma física do espaço, adequando-o às pessoas com necessidades especiais, e à criação de programação sociocultural, com a criação de um plano anual de atividades. Em todas as categorias, o governo proponente terá de dar, obrigatoriamente, uma contrapartida mínima, em recursos financeiros, de 20% do valor total do projeto – podendo ser sem recursos financeiros ou em bens e serviços -, para fins do conveniamento. Do mesmo modo, em todas as categorias o MinC exige que os acervos respeitem a bibliodiversidade – tanto em áreas de conhecimento quanto na valorização da produção literária regional – assim como contemplem materiais de leitura em formato acessível (livros em Braille, audiolivros, livros digitais, entre outros). Também é pré-requisito para participar do edital, que o espaço físico do equipamento seja cedido pelo proponente e esteja em condições mínimas adequadas para abrigar a biblioteca pública. Não podem participar do edital governos estaduais cujas bibliotecas públicas tenham sido contempladas pela Modernização de Biblioteca de Referência do Programa Mais Cultura entre 2008 e 2010, nem municipais contemplados com kits de implantação e modernização do Programa Mais Cultura, no mesmo período – neste caso para a aquisição de acervo e mobiliário. A Comissão de Avaliação e Seleção será composta por, no mínimo, 20 membros, entre representantes dos Ministérios da Cultura e da Educação, de outros órgãos da administração pública federal e membros da sociedade civil com notório e reconhecido saber no setor cultural. A primeira etapa prevê a habilitação das propostas, quando é feita uma análise técnica e documental das inscrições, sendo de caráter eliminatório. As propostas habilitadas serão avaliadas e classificadas sob os seguintes critérios: impacto cultural e social do projeto; atuação da biblioteca pública, adequação e viabilidade do projeto; iniciativas comprovadamente inseridas em pelo menos uma das áreas de atendimento às prioridades de Territorialização do Programa Mais Cultura e iniciativas que foram habilitadas e não beneficiadas com investimentos do MinC em outros programas. A relação dos habilitados e posteriormente dos selecionados será publicada no Diário Oficial da União e divulgada no site do MinC (www.cultura.gov.br) e na página do Programa Mais Cultura (mais.cultura.gov.br), sendo de total responsabilidade do proponente acompanhar a atualização das informações. Após a publicação do resultado, os candidatos poderão interpor recurso no prazo de cinco dias úteis a contar da data de publicação no DOU.

Fonte: Assessoria