Alimentos ajudam a queimar excessos

Nutrientes do abacate, do ovo e das frutas vermelhas enxugam a silhueta

 De um lado da briga com o ponteiro da balança está a turma dos doces, bolos e pães calóricos e, do outro, um grupo de alimentos, que não são necessariamente magrinhos, como o ovo e o abacate, mas que contém nutrientes importantes para secar os quilinhos extras.

O consumo deles aliado a uma prática regular de exercícios físicos secam o pneuzinho e, de quebra, faz você ganhar mais músculos. "Nenhum alimento estimula a queima de gordura. Eles podem conter substâncias que participam da queima de gordura, o que não significa que o seu consumo aumente ou propicie a oxidação da gordura corporal", explica a nutricionista Paula de Crook, da PB Consultoria em Nutrição, de São Paulo.

Após a ingestão de qualquer comida, o que acontece é o estímulo da secreção da insulina. O aumento desse hormônio na corrente sanguínea vai elevar a captação de gordura pelo tecido adiposo e aumentar o seu estoque no organismo. "Diariamente, utilizamos cerca de 150 gramas de gordura desse depósito.

Para que a utilização das reservas de gordura seja maior, o consumo de calorias pela alimentação precisa ser menor que o gasto energético diário ou o gasto energético diário ser aumentado através da prática de exercício físico", acrescenta Paula de Crook. Se a ideia é perder peso, com uma dieta, e moldar o corpo, com a malhação, vale apostar em alimentos que jogam a favor da queima de gordura.

Os especialistas em nutrição apontam alguns deles: Frutas vermelhas: pode incrementar o iogurte, o cereal matinal ou comê-las fresquinhas mesmo. Aposte no morango, na fambroesa, na blueberry (Mirtilo) e na amora para ver a calça jeans afrouxar rapidinho. "As frutas vermelhas são ricas em antocianinas, substâncias antioxidantes e anti-inflamatórias. Dessa forma, elas podem auxiliar na perda de peso, pois uma das causas da obesidade está associada a inflamação do tecido adiposo", explica a nutricionista da PB Consultoria e Nutrição.

As vermelhinhas são ricas em vitaminas, minerais, e, principalmente, fibras. São elas as responsáveis por fazer o intestino funcionar direito e regular as taxas de açúcar no sangue, controlando assim os picos de liberação de insulina - processo que estimula o acúmulo de gordura. "As fibras também promovem maior saciedade, controlando o excesso alimentar durante uma refeição e melhorando a digestão dos alimentos", explica a nutricionista Karina Gallerani.

Abacate: ele leva a injusta fama de ser uma fruta gorda, e , de fato, é rico em gorduras, mas é gordura da boa, do tipo monoinsaturada, que regula as taxas de colesterol e afasta o risco de doenças cardiovasculares. Consumido na medida certa, suas calorias contam menos que seus benefícios. Experimente adicionar o abacate na salada ou preparar uma guacamole mexicana para comer com torradas ou pão integral. Rico em vitamina C, vitamina B6, magnésio e ferro, a fruta também aumenta a sensação de bem-estar, reduzindo a ansiedade e fazendo com que você evite beliscar guloseimas açucaradas. "Ele é rico em triptofano, um aminoácido precursor da serotonina e presente nas vitaminas do complexo B, principalmente, na vitamina B6", explica a nutricionista Juliet Marzalek, especialista em nutrição clínica. Oleoginosas: nozes, castanha do Pará e amêndoas também integram a ala dos alimentos ricos em gordura monoinsaturadas, amigas do bom funcionamento do coração. "Elas promovem a diminuição do apetite, porque possuem nutrientes que agem no sistema nervoso, aumentando a sensação de saciedade", diz a nutricionista Vivian Goldberger, do Emagrecentro. "Consuma duas castanhas meia hora antes do almoço para não ficar com tanta fome na hora da refeição", recomenda.

Ovo: pode comer com a clara e, principalmente, a gema, onde se concentram a maior parte de nutrientes. O ovo é rico em albumina, proteína que é facilmente aproveitada pelo organismo e é de fácil digestão. A albumina possui os nove aminoácidos necessários para o processo de anabolismo - aumento de massa muscular. A substância está contida, principalmente, na clara. "A clara também dispõe de leucina, um aminoácido que ajuda a manter os músculos e diminui a massa gorda", afirma a nutricionista Lucyanna Kalluf, do Centro Brasileiro De Nutrição Funcional. A gema, por sua vez, é rica em ômega 3, gordura excelente para o cérebro e que estimula o equilíbrio da insulina com a glicose, mais um fator para regular a compulsão alimentar e o acúmulo de gordura. Para contar com esses benefícios, o ideal é incluir, ao menos, um ovo (de galinha) por dia na sua alimentação.

Fonte: minhavida, www.minhavida.com.br