Pesquisa:estresse e mau humor engordam

Pesquisa:estresse e mau humor engordam

Nova pesquisa mostra que tensão estimula a fome e também diminui sensação de saciedade

Existe, sim, explicação científica por trás da vontade incontrolável de comer um doce após um dia “daqueles”. Uma pesquisa descobriu o mecanismo no organismo que em situação de estresse torna os alimentos gordurosos ainda mais irresistíveis e, de quebra, faz com que a vontade de encher o prato (e repetir algumas vezes) fique muito maior.

O trabalho foi feito por estudiosos do Instituto Weizmann, de Israel, e publicado na revista científica Proceedings of the Nacionational Academy of Sciences (Pnas). A análise feita em laboratório mostrou que a tensão ativa uma área cerebral que produz a proteína UCN3. O perigo oferecido à boa forma física é duplo: ela age no fígado, pâncreas, coração e cérebro e desperta a vontade de comer. Ao mesmo tempo, a proteína também diminui a sensação de saciedade.

O resultado é mais fome e menos sensação de “barriga cheia”. A pesquisa sugere que a bronca do chefe, o fora do namorado ou o trânsito interminável podem, portanto, deixar os chocolates, biscoitos gordurosos ou o fast food ainda mais apetitosos. Mas como vencer o estresse e o mau humor? O Delas perguntou pelo twitter e recebeu via internet dicas importantes, que vão desde música até respiração profunda (confira as principais). Diabetes, hipertensão, colesterol

A importância de vencer o estresse e o mau humor está nos prejuízos acarretados com eles. Segundo os especialistas, em geral, os obesos que chegam aos consultórios também carregam um histórico de rotinas muito tensas. Tratar a obesidade exige, ao mesmo tempo, tratar a vida pessoal. “O estresse é um fator ambiental que está presente desde a infância.

Ele promove alterações no organismo que são cada vez mais estudadas”, afirma o presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes, Saulo Dias. “O que já é comprovado é que em situações estressantes há aumento de produção de hormônios, como cortisona, adrenalina e impacto em neurotransmissores, que servem de gatilho para obesidade, hipertensão, diabetes e colesterol, principalmente para os que já tiverem influência genética.”

Não é à toa, afirma o médico, que o aumento de hipertensão (4% em um ano segundo o Ministério da Saúde) e dos casos de diabetes, acompanham também a escalada do estresse – uma seguradora de saúde constatou que entre as mulheres executivas, mais da metade são estressadas (51%). Explicação pré-histórica Amelio Godoy Matos, membro do departamento de obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, afirma que existe uma explicação desde os tempos da caverna para a relação entre estresse e ganho de peso. “O estresse é a percepção de ameaça. Desde os tempos pré-históricos, a resposta do organismo do homem em situações ameaçadoras é armazenar energia para sobreviver.

É instintivo, portanto, preservar gordura para enfrentar o estresse”, explica ele. A nutricionista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) – especializada em adolescentes – Elaine Rocha de Pádua, acrescenta ainda que até a forma como o bebê foi amamentado pode explicar porque a pessoa encara a comida como um “porto seguro”. “Se quando bebê, toda vez que ele chorava, a mãe oferecia o peito como um consolo, essa criança cresce com a sensação de que a alimentação é a solução para os períodos de estresse”, afirmou a especialista Informação não é aval Segundo os médicos, saber as explicações científicas, antropológicas e até educacionais para a influência do estresse no ganho de peso não “autoriza” as pessoas a comerem de forma desenfreada em situações tensas.

Para os especialistas, o importante é considerar que o estresse é fator de risco para a saúde tão importante quanto o cigarro e o álcool. “As pessoas precisam dar a devida atenção ao estresse. Quando recomendamos que indicamos caminhada de 30 minutos por dia para proteger contra doenças crônicas, também é orientado reduzir a jornada de trabalho. Infelizmente, as pessoas ainda não têm noção do quanto a vida estressante é prejudicial”, alertou o presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes.

Fonte: IG