Escolha um bom protetor solar e deixe sua pele protegida no verão

Veja um guia de orientação sobre o que deve ser evitado.

É muito provável que ao comprar um protetor solar na farmácia para uso próprio ou para sua família você escolha aquele com preço mais atrativo ou embalagem convidativa. O problema é que sem saber você pode estar expondo sua pele e a de seus familiares a substâncias tóxicas ou a um produto ineficaz, que não criará qualquer barreira contra os raios solares.

A partir de um estudo, o Environmental Working Group (EWG) criou um guia de orientação sobre o que deve ser evitado quando o assunto é filtro solar. Confira:

1. Produtos que contenham Oxybenzeno

Segundo o Journal Lancet, os pesquisadores afirmam que não é prudente aplicar oxybenzeno em muitas áreas da pele por repetidas vezes a menos que não se disponha de outra proteção disponível. A preocupação deve ser ainda maior com crianças ainda em desenvolvimento.

Grande parte dos protetores solares do mercado americano contém oxybenzeno. Tal substância penetra na pele, potencializando reações alérgicas. É um potente químico que causa alterações endócrinas e lesões celulares.

Sabe-se que 97% dos americanos estão contaminados com oxybenzeno e as pesquisas têm aconselhado o não uso em crianças muito vulneráveis a alterações hormonais por produtos químicos.

2. Protetores com vitamina A (retinil palmitato)

A indústria de protetores solares usa a vitamina A em suas formulações, porque ela é um antioxidante que dizem reduzir o envelhecimento de pele.

Entretanto, a Food and Drug Administration (FDA) realizou um estudo que mostrou que quando em contato com o sol, protetores com vitamina A podem acelerar a velocidade de lesões, podendo ocasionar um tumores. Cerca de 60% dos produtos analisados pelo Environmental Working Group (EWG) tinham quantidades inadequadas de proteção UVA.

Tal resultado é reforçado pelos estudos do Programa Nacional de Toxicidade (NPT) que, em uma década de avaliação concluída em Janeiro de 2011, revelou que tanto o retinil palmitato quanto o ácido retinoico aceleram o desenvolvimento de lesões cancerosas e tumores.

Apesar disso, muitas campanhas cosméticas não retiraram esse ingrediente dos protetores solares e de outros produtos de pele e lábios.

3. Proteção UVA inadequada

Cerca de 60% dos produtos analisados pelo Environmental Working Group (EWG) tinham quantidades inadequadas de proteção UVA. Há dois tipos de raios UV provenientes da luz solar e aos quais devemos ficar atentos: o UVB, que estimula a produção de vitamina D, e o UVA, que causa lesões na pele.

Tanto o UVA quanto o UVB podem causar bronzeamento e queimação, apesar de o UVB criar tal efeito mais rapidamente. O UVA, entretanto, penetra na pele mais profundamente que o UVB e pode ser um fator de risco maior em relação ao envelhecimento da pele, ao aparecimento de rugas e o desenvolvimento de um câncer de pele.

Como o UVA é mais lesivo e mais persistente durante todo o dia, usar um protetor solar que não o protege contra esse raio não trará qualquer benefício e causará agressões à saúde.

4. Fator de Proteção Solar (FPS) muito alto ou forma de spray

Protetores com FPS alto, acima de 50, dão aos usuários a falsa sensação de proteção por período mais longo, encorajando-os a ficar expostos ao sol por muito tempo.

Aconselha-se que esse tipo de protetor seja usado como se tivesse fator de proteção solar baixo. Protetores em spray, por sua vez, devem ser evitados pelo fato de liberarem substâncias (partículas) tóxicas no ar que podem ser inaladas.

Fonte: Yahoo