Mira Callado, do "The Voice", mostra paixão por bijus: "Gosto de tudo maxi"

A cantora montou um colar para mostrar sua habilidade e contou como está sua carreira após o programa: "Tem que ter cabeça boa".

Mira Callado, uma das finalistas do time de Carlinhos Brown na primeira edição do "The Voice", mostrou que não tem talento apenas para cantar, e ensinou o passo a passo para fazer um maxicolar bem colorido (veja abaixo, em fotos e vídeo) para os leitores do EGO. Apaixonada por bijuterias grandes, a cantora aprendeu a montar suas próprias peças para arrasar nos shows sem gastar muito e, apesar de não ter muita técnica, aposta na criatividade. No dia de sua audição, ela estava usando uma de suas criações.


Mira Callado, do

"Sempre gostei de bijuteria. No dia a dia sou mais básica, mas adoro usar coisas grandes e bem coloridas para cantar. Pulseirão nos dois braços, anelzão, colarzão... Gosto de coisas brutas, tudo maxi! Maxicolar, maxicílios, maxisalto. Sou quase uma drag queen (risos).

Comecei a fazer algumas coisas há um ano e meio, depois que vi uma matéria no "Mais Você" e procurei vídeos de tutoriais na internet. O que monto é bem simples, porque não tenho muita técnica e prefiro fazer rapidinho, mas dá um efeito lindo no palco. Além disso, todo material que compro para fazer vários colares acaba saindo o mesmo preço que um só na loja", diz Mira, que demorou cerca de uma hora para terminar completamente a peça e gastou em torno de R$ 40.

Carreira pós-"The Voice"


Mira Callado, do

Apesar da paixão por suas bijuterias, cinco meses após a final do "The Voice", que consagrou Ellen Oléria, sua companheira de equipe, como campeã, Mira conta que sua rotina é de muito trabalho e que não sobra muito tempo para fazer novos colares. Atualmente, além de shows, ela batalha para gravar um CD e conseguir manter a fama conquistada com o programa.

"A carreira artística é feita de muitos altos e baixos, por isso estou ralando bastante para manter o reconhecimento que conquistei. É muito louco! Você de repente se vê no estrelato, na fama... Mas se não trabalhar e mostrar algo novo, fica esquecida. Tem que ter uma cabeça muito boa para lidar com isso, porque um programa como esse mexe com seu ego. Agora estou em andamento para lançar meu CD, mas ainda não temos previsão de lançamento. E estou fazendo uma média de três shows por semana. O importante é continuar lotando os lugares onde estou e ver o público curtindo. Quero fazer um show cada vez mais bacana e viajar muito para estar em todos os lugares onde os fãs me cobram. Contratantes, estamos aí!", brinca a cantora, que mantém uma amizade mais próxima com os colegas Ju Moraes, Marquinhos Osócio e Gustavo Fernandes.

Com as incrições para o recrutamento de novos cantores para a segunda edição da atração prorrogadas, Mira revela que tem recebido muitas mensagens em seus perfis no Twitter e no Instagram pedindo ajuda e dicas para arrasar nos vídeos. Ela, inclusive, já foi até abordada no banheiro de um shopping por uma menina que pediu sua opinião sobre sua voz.

"Tem gente que manda vídeo da inscrição do "The Voice" para ver o que eu acho. Sempre tento responder rápido, dar minha opinião. Digo para fazer capela, para diminuir o tom... É legal poder ajudar e ter virado uma referência para gente que é tão boa. Às vezes também rolam umas situações engraçadas, como uma menina que me viu no banheiro do shopping, após um show, e pediu para eu dizer o que achava dela cantando. No fim ainda gravamos um vídeo juntas. Foi engraçado, achei um barato", relembra.

A cantora garante que o assédio, aliás, não lhe incomoda nem um pouco. Ao contrário. Na batalha há sete anos - agora ela está com 31 -, ela aproveita a boa fase, resultado dos anos de luta. "Adoro quando me param. Outro dia fui cantar no shopping e pediram para a gente se retirar porque estávamos atrapalhando o andamento do local. Achei o máximo (risos). Quem não gosta de assédio, não deveria se expor. Tirar foto e dar autógrafo é ganhar tempo para mim. Adoro quando as pessoas gostam do que eu faço. O assédio acontece, e tomara que aconteça muitas vezes".

Fonte: EGO