Modelos se unem para evitar abusos sexuais e exploração

Modelos se unem para evitar abusos sexuais e exploração

Elas querem ser ouvidas na Semana da Moda de Nova York, que começa nesta quinta-feira (9).

Modelos americanas formaram uma associação para garantir seus direitos trabalhistas e se proteger de abusos sexuais, exploração infantil e falta de transparência econômica, a fim de serem ouvidas na Semana da Moda de Nova York, que começa nesta quinta-feira (9).

Sara Ziff, de 29 anos, iniciou sua carreira como modelo aos 14 e é a promotora da Aliança de Modelos, organização sem fins lucrativos que pretende "dar voz às modelos em seu local de trabalho e melhorar suas condições trabalhistas numa indústria quase sem nenhuma regulação", afirmou nesta terça-feira (8) em seu site.

"Durante muito tempo ignoraram os abusos que a indústria da moda pratica sistematicamente sobre seus trabalhadores. As carreiras das supermodelos não representam a realidade da maioria, que são modelos jovens e excepcionalmente vulneráveis", avaliou Sara.

Um dos problemas que esta organização pretende enfrentar é a baixa idade com que muitas modelos começam suas carreiras. Uma enquete realizada com 241 modelos de Nova York e Los Angeles, à qual apenas 85 responderam, mostrou que 54,7% tinham começado a trabalhar entre os 13 e os 16 anos, 37,3% entre os 17 e os 20 e apenas 6,7% haviam iniciado sua carreira a partir dos 21.

Além disso, 52% das modelos menores de 18 anos não iam nunca, ou quase nunca, acompanhadas por seus pais às audições e sessões de trabalho. "Esta desproteção quando ainda são adolescentes as tornam especialmente frágeis sob a pressão para que se mantenham magras e faz com que sofram distúrbios alimentares", denunciou Sara.

A mesma pesquisa revelou que 31,2% das modelos sofreram transtornos deste tipo, 64,1% já receberam ordens de suas agências para que perdessem peso e 48,7% foram submetidas a dietas forçadas durante períodos curtos de tempo.

Além disso, a Aliança de Modelos constatou que a saúde dessas mulheres é afetada em outras áreas, já que 68,3% sofriam de ansiedade ou depressão e 76,5% eram expostas a drogas ou álcool no trabalho, enquanto 28,8% trabalhavam sem seguro de saúde.

Outra das grandes batalhas da associação é contra assédios sexuais, que vai desde a falta de privacidade nos provadores (o que constitui um problema para 60,5%) até as pressões para manter relações sexuais em troca de trabalho, sofridas por 28% das entrevistadas.

"O que piora a situação é que esta é uma indústria que se nutre de meninas que trabalham sem vigilância, em algumas ocasiões longe de casa, o que é um incentivo para não dizerem nada", assinalou Sara.

Exemplo disso são histórias como a da modelo Dana Drori que, no fórum da associação, conta como aos 15 anos teve de posar a sós para um fotógrafo canadense em seu apartamento, vestida sobre a cama com uma jaqueta desabotoada e a calça jeans do próprio fotógrafo.

"Embora este conjunto (de roupa) fizesse eu me sentir desconfortável, eu concordei. Foi a primeira vez que disse sim a algo quando preferia ter dito não", assegurou Dana, que acrescentou em seu testemunho que "os momentos difíceis nunca desapareceram".

A falta de transparência econômica é outro fator agravante, já que, segundo Sara Ziff, "muitas das modelos que conseguirem desfilar na Semana da Moda de Nova York nunca serão pagas. Trabalharão de graça ou em troca de roupas", assegurou.

A Aliança de Modelos trabalha em colaboração com a Faculdade de Direito da Universidade de Fordham, que oferece assessoria jurídica, e com o Conselho de Estilistas de Moda dos EUA (CFDA, na sigla em inglês), que promove hábitos alimentares saudáveis entre as modelos.

Fonte: Terra