Mulheres não sabem guardar segredos

Outra conclusão interessante é que uma mulher ouve, em média, três segredos por semana

Não se espante ou fique com raiva da primeira parte do título desta matéria. Quem declarou isso foi Michael Cox, diretor na Inglaterra da empresa Wines of Chile, que promoveu uma pesquisa entre 3.000 mulheres de 18 a 65 anos para saber por quanto tempo elas conseguem guardar uma informação sigilosa.

A resposta é menos de dois dias ou mais especificamente 47 horas e 15 minutos. E como estamos falando de um estudo patrocinado por uma empresa de vinhos, ele constatou ainda que o álcool é o principal gatilho para as moçoilas contarem os podres alheios, geralmente para namorados, maridos, mães e melhores amigos(as). Outra conclusão interessante é que uma mulher ouve, em média, três segredos por semana e vai disseminá-los a pelo menos uma pessoa.

Três em dez entrevistadas afirmaram ter um ímpeto em contar para alguém para "poder tirar aquilo do peito", enquanto 2/3 destas se sentem depois culpadas por terem feito isso. Curiosamente, 83% se consideram 100% confiáveis. Antes que alguém comece a ficar preocupado com esse resultado, um cientista social inglês (sempre eles) da Universidades de Surrey, Dr. Nicholas Emler, apresentou no Festival de Ciência Britânico sua tese de que a fala entre humanos foi justamente desenvolvida para nos permitir dividir informações sociais, mais comumente conhecidas por fofocas.

"Nós trocamos informações sociais. Nós podemos formar sociedades mais complexas que a de outros animais porque fofocamos. É fundamental ao ser humano e nos permite conhecer pessoas a quem nunca fomos apresentados", afirmou o Dr. Emler. Na realidade, suas conclusões se deram após um estudo com 300 voluntários de ambos os sexos, no qual se verificou que eles passavam 80% de suas interações com outras pessoas, dividindo informações sociais.

Com isso, os pesquisadores concluíram que nunca perderíamos tanto tempo em uma atividade que não fosse relevante para nosso desenvolvimento. E o cientista emenda: "babuínos e chimpanzés também possuem estruturas sociais complexas porque sabem um da vida do outro, mas como não falam, seus grupos se limitam a, no máximo, 50 membros. Através da fofoca podemos saber de detalhes da vida de mais de 100.000 pessoas desconhecidas".

Portanto, esqueça o domínio do fogo, a capacidade de forjar ferramentas e o fato de podermos sobrepujar a natureza. Pelo jeito, se juntarmos as duas pesquisas, as mulheres foram o verdadeiro motivo do desenvolvimento humano.

Fonte: Terra, www.terra.com.br