Pompoarismo, a ginástica da sexualidade

Exercícios pélvicos, preparação para o Tantra, pompoarismo, kegel

 Se isso é grego para você, provavelmente desconhece a importante ginástica intima. Esse tipo de exercício serve para potencializar o prazer e ainda melhora a saúde. As que acham que apenas a performance sexual melhora, desconhece que até incontinência urinária e flacidez vaginal podem ser resolvidos com bons minutos de ginástica lá em baixo.

A terapeuta corporal Regina Racco é uma das instrutoras de ginástica íntima mais populares do Brasil e já trabalha com pompoarismo e outras técnicas há muito tempo. "Aprendi com minha avó quando tinha quatorze anos. Ela me passou movimentos básicos para que eu fortalecesse minha vagina para quando fosse mãe. Ela não falou em sexo e sim na maternidade, e desde lá, nunca parei de treinar e estudar a respeito", conta.

Segundo Regina, a melhor maneira de potencializar o prazer é o autoconhecimento, somado ao controle natural dos músculos íntimos. "Comparo uma mulher que não se conheça suficientemente a uma máquina potente, que por desconhecimento de seu condutor opere com apenas 30% de sua capacidade. Assim somos nós, quando não conhecemos nosso mecanismo gerador de prazer", afirma. Ela garante que a ginástica íntima é imbatível para ampliar esta capacidade.

Regina diz que cada mulher tem seu próprio tempo para assimilar as técnicas de ginástica íntima. No método criado por ela, após quinze dias é possível sentir aumento na força do canal vaginal. No "Livro de Ouro do Pompoarismo" (Pompoarte, 2007) ela explica exercícios e diz que, após oito meses de treinamento, uma aluna pode se considerar uma pompoarista. Nos cursos que ministra, Regina vê respostas positivas também com cinco meses de treino. Normalmente quem mais procura o curso são as mulheres casadas - de todas as idades -, que buscam melhorar a sexualidade e a saúde, delas e dos maridos.

"As solteiras também procuram, porque sabem que podem esperar muito mais em um novo relacionamento à medida que trabalham seu autoconhecimento e se fortalecem", conta Regina. Segundo ela, todas as mulheres podem e devem aprender. E não apenas elas. Os homens também podem ser treinados e o curso masculino tem por objetivo ampliar o controle entre o ponto zero de excitação até a ejaculação. "Muitos conseguem até mesmo dissociar orgasmo da ejaculação e, quando dominam esse conhecimento, obtêm orgasmos secos.

Como é o ato de ejacular que determina o final do encontro amoroso, esse homem se relacionará pelo tempo que desejar, aumentando assim a duração do ato sexual", explica. Ela conta ainda que, por conta de uma declaração do presidente da França, Nicolas Sarkozy - que pratica esta ginástica -, houve um aumento na procura pelos cursos masculinos. "Pela primeira vez, em anos, o número de meus alunos se equiparou o das alunas". O essencial do pompoarismo (e dos outros exercícios íntimos) é que ele deixe de ser consciente e vire natural. "Muitas mulheres ainda acreditam que ao treinar e fortalecer os músculos deverão repetir conscientemente as contraturas durante o ato sexual.

Mas uma mulher que faz isso dá adeus ao prazer, porque é impossível ficar "ligada" e comandando os músculos enquanto se tenta sentir as sensações do ato sexual", afirma. Segundo ela, as técnicas para "comandar os músculos" não são a maneira certa de praticar o pompoarismo.

"Todo o trabalho com a ginástica íntima está voltado ao aumento da força e da resistência dos músculos, que farão com que esta mulher tenha um ganho natural, sem necessidade de comando consciente", avaliza. A pedido do Vila Dois, Regina listou exercícios que você pode começar a fazer. E se conhecer de vez intimamente. Já na primeira semana, perceberá maior sensibilidade.

1º exercício básico: Sente-se em uma cadeira (evite as poltronas). A coluna tem que permanecer ligeiramente inclinada para frente, sem causar desconforto. Coloque as mãos nos joelhos e deixe os pés paralelos, ligeiramente separados. Inspire contraindo os músculos da vagina, de forma elevatória, como se puxasse algo. Conte até 30 e relaxe expirando. Repita esse exercício por três a cinco vezes ou por até cinco minutos.

2º exercício básico: Em pé, com os braços ao longo do corpo, mantenha os pés paralelos e ligeiramente separados. Contraia as nádegas e tente uni-las ao máximo que puder. Conte até dez e relaxe. Repita três vezes. Ao contrair o músculo elevador do ânus você conseguirá sentir a vagina contraída.

3º exercício básico: Em pé, contraia e relaxe a musculatura da vagina, como se estivesse pulsando, repita 30 pulsações rápidas e relaxe.

Fonte: Abril, www.abril.com.br