Tecnologia melhora sensação de bem-estar

O resultado geral mostrou que a tecnologia melhora em até 10% nossa sensação de bem-estar

Há 30 anos, quem poderia imaginar que teríamos computadores poderosos em casa, telefones portáteis que cabem na palma da mão ou aparelhos de reprodução de filmes com imagens e sons perfeitos? Pois é a tecnologia veio aí para melhorar a vida de todos e tornar o acesso a informação e serviços mais fácil, apesar dos eventuais críticos que não suportam a falta de privacidade que internet, celular e outros recursos trazem.

Uma empresa de pesquisas na Inglaterra resolveu então tentar descobrir se as pessoas estão mais ou menos felizes com os recursos tecnológicos e para isso questionou 35 mil pessoas em todo o planeta. O resultado geral mostrou que a tecnologia melhora em até 10% nossa sensação de bem-estar, porque através dela conseguimos ter maior sensação de liberdade e de controle. E é interessante notar que esse ganho na qualidade de vida é maior para aqueles que se encontram em regiões ou classes sociais que não tinham acesso a nada até pouco tempo.

O Instituto BCS verificou que especialmente em países em desenvolvimento, recursos tecnológicos são percebidos como fatores de melhoria na condição de vida. O mesmo ocorre na população de baixa renda e pouca escolaridade de grandes centros. Ou, como o relatório final disse, é dar poder a quem nunca teve. Outro grupo que encontra a felicidade com a tecnologia são as mulheres. O grau de satisfação do grupo feminino é muito maior que o masculino e os pesquisadores inferiram que isso se deve ao poder que a Tecnologia de Informação tem de melhorar a comunicação entre as pessoas e estreitar laços familiares e sociais.

Combatendo a exposição pessoal

Por outro lado, conforme matéria recente do jornal The New York Times, tem-se notado que as pessoas mais jovens estão começando a ter mais preocupações em relação à exposição de suas vidas pela internet, seja ela através de grupos sociais como Orkut e Facebook, seja através de blogs. Jovens em torno dos seus 20 anos estão apagando suas fotos da web e retirando informações que possam comprometê-los, especialmente no âmbito profissional.

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Berkeley na Califórnia mostrou que mais da metade dos jovens adultos estão mais preocupados hoje com seus dados na internet do que há cinco anos, assumindo idéias sobre privacidade que antes só eram percebidas por pessoas maiores de 40 anos. Das mil pessoas entrevistadas por telefone, 88% daquelas entre 18 e 24 anos de idade acreditam que deveria haver uma lei que obrigasse os sites a apagar toda a informação sobre uma pessoa quando requisitado. Já 62% acha que é necessária uma legislação rigorosa que informe cada indivíduo quais informações sobre ele estão na web.

Colocar na web informações pessoais e privadas (especialmente fotos e filminhos) é um convite para ter a vida devassada. E também é bom ficar esperto para as alterações nas redes sociais. Enquanto o Orkut fechou os perfis e deu a opção aos usuários de esconder seus dados, o Facebook foi na mão contrária e abriu os dados para todo mundo, a não ser que você configure sua conta e limite o acesso a informações a seus amigos apenas. No final das contas dá para ser muito feliz com tecnologia se houver bom senso e inteligência quando usá-la.

Fonte: Terra