Veja o que pode destruir seu casamento

Apenas um dos dois fumar pode indicar um relacionamento curto. Bem como se ele perder o emprego.

 Estudo australiano diz que diferença de idade, filhos antes de se casar, falta de dinheiro e até estado civil dos pais podem acabar com um relacionamento

 Você acredita na famosa frase "e viveram felizes para sempre"? Se não quer que ela seja mais uma das que habitam apenas os contos de fadas, um estudo australiano poderá lhe dizer o que ajuda a manter um casamento.

E certamente é mais do que amor ou paixão. Segundo uma pesquisa da Universidade Nacional Australiana, a idade do casal, relações anteriores e se eles fumam ou não podem ter influência sobre a longevidade do relacionamento. Os pesquisadores entrevistaram 2.500 casais, casados ou vivendo juntos, entre 2001 e 2007, para identificar elementos comuns entre os que permaneceram juntos ou se divorciaram. Um casal em que o marido é mais de nove anos mais velho que a mulher está duas vezes mais sujeito ao divórcio, assim como os homens que se casam antes dos 25 anos.

As crianças também influenciam na felicidade do casal. Vinte por cento dos casais que tiveram filhos antes de casar – no mesmo relacionamento ou no anterior – se separaram, contra 9% de quem teve filhos depois.

A vontade de ser mãe é outro fator: mulheres que querem muito mais que seus parceiros também estão mais propensas a divorciar. Os pais também têm participação na decisão final: 16% do homens e mulheres que viram os pais se separarem fizeram o mesmo, contra 10% daqueles em que os pais permaneceram juntos. Trocar muitas vezes de cônjuge também atrapalha, já que parceiros que estão em seu segundo ou terceiro casamento estão 90% mais propensos a separar do que os casados de primeira viagem. O dinheiro, ou a falta dele, pode levar um casamento ao fim.

Segundo o estudo, 16% dos homens que se consideravam "pobres" ou mulheres cujos maridos ficaram desempregados se separaram. Mulheres desempregadas não chegaram a ser um fator de importância na separação do casal. A porcentagem de divórcio entre os casais de finanças saudáveis foi de 9%. No quesito cigarro, a separação é maior quando apenas uma pessoa fuma.

Fonte: Revista Época