Mulher tenta na Justiça de Minas Gerais provar que não é homem

Mulher tenta na Justiça de Minas Gerais provar que não é homem

A dona de casa Regimar Linhares da Silva, 35, revelou que descobriu o erro em 1995

Uma moradora da cidade de Patos de Minas (400 km de Belo Horizonte) tenta provar na Justiça que é mulher, apesar de sua certidão de nascimento, registrada em Anápolis (GO), revelar que ela é do sexo masculino.

A dona de casa Regimar Linhares da Silva, 35, revelou que descobriu o erro em 1995, quando pretendia se casar com o companheiro, com quem convive há 16 anos, e havia sido impedida pelo erro no documento. Ela tem cinco filhos com o homem e mais um, de outro relacionamento.

Segundo ela, a explicação para a confusão é o nome ? Regimar -, entendido pelo escrivão como sendo de homem. E o nome se deve ao fato de a mãe ter tentado alinhar o seu nome com os dos irmãos já existentes: Reginaldo, Regina e Regiane.

?Na época, a advogada que arrumei para tentar mudar o documento colocou para mim muitos empecilhos. Aí, eu acabei desistindo. Também não levei a coisa adiante porque fiquei com vergonha de expor a situação?, disse.

A mulher diz ter procurado a Justiça para tentar resolver a situação, porque quer novamente oficializar a união com o companheiro e ainda livrar a família de ser alvo de ?piadas?.

?Os meus filhos são muito gozados na escola. Eles vivem reclamando para mim que colegas dizem a eles que são filhos de dois pais. As brincadeiras não param e vão constrangendo os meus filhos, que estão crescendo?, afirmou a dona de casa.

Ela também revelou que o marido passa por constrangimento. ?Ele é pedreiro, e os peões ficam tirando sarro dele, falando que ele se casou com outro homem.?

A mulher disse que juntou fotos e comprovantes de exames feitos durante as gestações dos filhos, além de um exame ginecológico, para que o advogado entrasse com o pedido de correção. ?Eu também tenho medo de que, caso o meu marido morra, eu fique sem ter direito a nada.?

Regimar também afirmou ter se frustrado em uma oportunidade de emprego. ?Eles ligaram aqui para casa dizendo que a vaga era minha. Quando descobriram que eu era mulher, disseram que a vaga era para um homem.?

Ela revelou que, caso obtenha êxito no processo judicial, pretende apenas acrescer a letra a no primeiro nome, que passaria a ser grafado como ?Regimara?.

Fonte: UOL