Centenas de peixes aparecem mortos em Guarujá, SP; foram contaminados

Especialistas, que estiveram no local, acreditam que os peixes ficaram sem oxigênio após a contaminação do mar durante o combate a um incêndio

Centenas de peixes apareceram mortos, na manhã deste sábado (19), no canal do Estuário entre Santos e Guarujá, no litoral de São Paulo. Especialistas, que estiveram no local, acreditam que os peixes ficaram sem oxigênio após a contaminação do mar durante o combate a um incêndio, nesta sexta-feira (18), em um terminal no Porto de Santos.

Segundo informações da Prefeitura de Guarujá, ainda não há um número exato de peixes que apareceram mortos em Vicente de Carvalho. Técnicos da Secretaria de Meio Ambiente de Guarujá realizaram uma vistoria na manhã deste sábado (19) e encontraram centenas de peixes.

De acordo com o secretário Elio Lopes, os peixes podem ter morrido por conta de um impacto ambiental que ocorreu devido aos efluentes líquidos gerados durante o combate ao incêndio dos armazéns da empresa Coopersucar. "Quando o açúcar cai nas águas, as bactérias querem degradar, essas bactérias se multiplicam de uma proporção geométrica muito rápida, elas respiram e consomem o oxigênio da água. O peixe que está naquela coluna de água acaba ficando sem oxigênio e morre", explicou o secretário.

Os peixes mais afetados foram os bagres e baiacus, já que a água deve ter descido na parte mais profunda do Estuário, onde habitam essas espécies marinhas.

Segundo informações dos moradores de Vicente de Carvalho, a quantidade de peixes mortos que apareceram na madrugada era enorme, porém eles foram se dissipando pela ação das correntes marítimas. Há a possibilidade que outros peixes mortos possam ser encontrados nas praias da região.

Incêndio no Porto

As pessoas que trabalham no Porto de Santos ouviram uma grande explosão por volta das 6h desta sexta-feira (18). O fogo atingiu seis armazéns de açúcar e deixou quatro funcionários da empresa Copersucar feridos.

O incêndio, que já é considerado o maior da história do porto santista. Segundo a empresa, o incêndio atingiu cerca de 180 mil toneladas de açúcar bruto. As causas do incidente ainda não são conhecidas e estão sendo investigadas. No momento, a companhia está desenvolvendo um plano de contingência para suas operações, buscando minimizar os impactos do ocorrido. A previsão é que o incêndio seja extinto apenas no domingo (20).

Fonte: G1