Chuva de meteoros Perseidas risca o céu das noites de agosto

Chuva de meteoros Perseidas risca o céu das noites de agosto


 

A chuva de meteoros Perseidas risca o céu das noites de agosto todo ano e produz um dos shows de estrelas cadentes mais populares, que vem sendo observado há 2 mil anos. Em 2014, o fenômeno pode ser visto em todo o mundo até dia 24, embora no Hemisfério Norte se tenha vista privilegiada.

O melhor horário para avistar os meteoros são duas horas antes do amanhecer (cada qual em seu respectivo fuso), e o dia de maior atividade será a madrugada do dia 12 para o dia 13 deste mês. Mas este ano não é como os outros. Em 10 de agosto, a Lua não só estará cheia, como no ponto de órbita mais próximo da Terra (periastro), quando se vê 14% maior e 30% mais brilhante. Isso significa que, se num pico normal é possível ver mais de 100 meteoros por hora, a Nasa espera que a superlua reduza esse número para algo entre 30 e 60.

A boa notícia é que as bolas de fogo da Perseidas -- mais numerosas do que em qualquer outra chuva de meteoros do ano -- não passarão despercebidas, mesmo com a luminosidade. Para maximizar a experiência, a Agência Espacial Americana dá algumas dicas: se afastar das luzes e da poluição da cidade, escolher um local sem nebulosidade, ter paciência e observar o céu por pelo menos 30 minutos, sem telescópios ou binóculos, que reduzem o campo de visão e as chances de ver os meteoros.

Em vez disso, é melhor relaxar os olhos e não fixar o olhar em nenhum ponto específico. Também evitar a luz de celulares ou lanternas, fatal para a visão noturna sem um filtro vermelho. A origem do evento está no cometa Swift-Tuttle, que orbita o Sol a cada 133 anos e deixa para trás um rastro de resíduos. Anualmente, quando a Terra passa por essa nuvem de detritos, gelo e pó de mais de mil anos entram em contato com a atmosfera terrestre a 59 km por segundo, queimam e se desintegram em flashes de luz.

Fonte: Estadão