Pesquisadores descobrem o que pode ser o menor camaleão do mundo

Os pesquisadores temem que os animais corram risco de extinção, caso haja alteração no seu habitat


Encontrado o que pode ser menor camaleão do mundo

Um dos menores camaleões do mundo foi descoberto por pesquisadores em uma ilhota de calcário em Madagascar.

O minúsculo camaleão Brookesia micra tem comprimento máximo de 29 milímetros. Cientistas alemães também descobriram três novas espécies no norte da ilha.

Os pesquisadores temem que os animais corram risco de extinção, caso haja alteração no seu habitat.

A descoberta foi publicada pela revista científica PLoS ONE.

Busca noturna

A equipe do cientista Frank Glaw, do Zoologische Staatssammlung, de Munique, é especializada em camaleões pequenos, já tendo descoberto outras espécies semelhantes no passado.

Os animais foram encontrados à noite durante a estação das chuvas de Madagascar. Os cientistas tiveram que vasculhar o chão com ajuda de lanternas.

- Eles vivem entre as folhas durante o dia, mas à noite saem e você consegue achá-los.

A menor das espécies foi encontrada em uma ilhota remota de calcário.

Os pesquisadores acreditam que pode ser um caso de nanismo insular, um fenômeno no qual espécies diminuem de tamanho com o tempo para se adaptar a um habitat menor, segundo Glaw.

- É possível que a grande ilha de Madagascar tenha produzido uma espécie geral de camaleões minúsculos, e que uma ilhota pequena tenha produzido a espécie menor.

Uma análise genética comprovou que os camaleões são na verdade parte de quatro espécies distintas.

Miguel Vences, da universidade alemã de Braunschweig, que participou da equipe, comentou a descoberta.

- Isso indica que eles se separaram há milhões de anos, antes mesmo do que várias outras espécies de camaleão.

Cada espécie nova está restrita a um território muito pequeno. O menor dos territórios tem apenas 0,5 km2.

- Em Madagascar, muitas espécies estão restritas a pequenos habitats, e isso faz com que seja importante conservá-los.

Outra espécie minúscula - o B. tristis, que significa "triste" - foi achado em uma parte isolada de uma floresta, próximo a uma cidade. O nome foi escolhido pelos cientistas para alertar para o perigo de extinção das espécies, que são muito frágeis.

Fonte: r7