Garoto faz festa e amigos destroem mansão

Garoto faz festa e amigos destroem mansão

Os pais foram passar o fim de semana fora – quando voltaram, estava tudo quebrado

Era pra ser uma reunião entre amigos ? uns dez, no máximo. Mas o anfitrião, Aneesh Shukla, britânico de 16 anos, divulgou a balada pelo Facebook. Local: casa dele, em Kingston Upon Thames, bairro no sul de Londres. Papai e mamãe Shukla foram passar o fim de semana fora e deixaram a residência ? uma mansão avaliada em R$ 2,5 milhões ? livre para o garotão botar o terror. Sem o consentimento deles, claro.

E o adolescente apavorou mesmo. Ele jura que foi sem querer, mas cerca de 100 conhecidos e amigos aproveitaram as dezenas de ambientes do lugar para fazer uma algazarra histórica na mansão. Os intrusos beberam dezenas de vinhos e espumantes da adega do pai de Shukla. Detonaram TVs e aparelhos de som, fizeram xixi na sala e em outros ambientes, quebraram vidraças, depredaram banheiros, vomitaram no jardim, arrebentaram carros na garagem, jogaram cerveja e copos nas casas vizinhas e afanaram objetos.

Também deixaram a geladeira vazia e quase zeraram a dispensa. Camas foram danificadas e algumas roupas sumiram dos armários dos pais.

A polícia foi chamada e apareceu quase ao amanhecer. Quando os tiras chegaram, viram jovens caídos de tanto beber. Dois garotos estavam em coma alcoólica e foram levados ao hospital.

Quando os pais do garoto voltaram, quase desmaiaram. Parecia que tinha ocorrido um roubo. Raj, de 57 anos, e a mãe, Nishi, de 52, ouviram dos vizinhos que a festa produziu um barulho de estádio de futebol lotado. O som estava mais alto que muita rave no Reino Unido, contaram.

Os pais terão de arcar com os prejuízos dos vizinhos e da casa. Eles não revelaram o valor que vão gastar após a destruição.

Nem informaram se o filho vai ficar de castigo ou ser mandado para o pior e mais cruel reformatório da Inglaterra, como já se especula na escola onde estuda o moleque - a respeitada Westminster School, em que os Shukla gastam até R$ 60 mil para bancar os estudos dele.

Fonte: R7, www.r7.com