Homem diz que era muito gordo para matar genro

Essa foi a defesa apresentada pelo suspeito na quarta-feira em Treton, na Nova Jersey

Acusado de ter matado em 2006 o ex-genro Paul Duncsak, um executivo farmacêutico, no estado da Nova Jersey (EUA), o norte-americano Edward Ates, de 62 anos, argumenta que seria incapaz de ter cometido o crime porque era muito gordo --ele pesava 130 quilos.

Essa foi a defesa apresentada pelo suspeito na quarta-feira em Treton, na Nova Jersey. Ele tenta convencer os jurados que não teria a energia suficiente para subir e descer a escada, onde o assassino estava escondido quando atirou em Paul Duncsak.

A tática usada pelo suspeito e por seu advogado surpreendeu, inclusive, o advogado David Berg, autor de um livro que analisa táticas e estratégias de julgamentos. Berg disse que nunca ouviu falar de uma defesa como essa.

De acordo com Berg, é "uma defesa incomum", mas que poderia funcionar se os fatos realmente se encaixarem. Ele destacou que os jurados podem ficar sensibilizados sobre a defesa, já que a obesidade é um tema importante da atualidade.

Na época do assassinato, Duncsak e a filha de Ates, Stacey, estavam envolvidas em uma disputa após o divórcio de 2005. Segundo os promotores, Ates foi de carro de Fort Pierce, na Flórida, até a casa de Duncsak e atirou nele quando ele chegou do trabalho.

Duncsak estava conversando com a namorada no telefone celular quando foi baleado. Depois de ouvir um grito, a mulher ligou para o serviço de emergência da polícia (911). Os policiais chegaram minutos depois, mas o assassino já tinha ido embora.

Fonte: g1, www.g1.com.br