Mulher acusa ex-namorado de ter jogado o carro no rio de propósito.

Ex-namorados que caíram no Rio Tietê querem distância um do outro

Carro com casal de ex-namorados cai no Rio Tietê. Eles são vizinhos, já terminaram o relacionamento e reataram, mas agora garantem que o episódio que resultou com os dois resgatados no meio do Rio Tietê foi o último de um romance sem volta.



?Não quero ver mais a cara dele?, diz a balconista Jessica Aparecida Pereira dos Santos, de 19 anos, que acusa o ex-namorado de ter jogado o carro de propósito no rio, na noite desta segunda-feira (12) em São Paulo.

?Eu é que não quero que ela me procure mais. Nem se ela vir coberta de ouro?, rebate o motorista Ivanmar Vasconcelos Salles, de 38 anos, que não tinha seguro do Mazda MX3. ?Perdi R$ 20 mil, foi prejuízo total. Por sorte tenho também um Audi?.

Segundo Salles, que trabalha como condutor de ônibus, tudo não passou de um acidente. ?Nunca me envolvi em um acidente em 20 anos de carreira, sou motorista profissional. Foi uma fatalidade."

Ele falou que não tinha mais nada a perder, que eu estava fazendo ele de besta e que ia jogar o carro no Rio Tietê"

As versões do casal são contraditórias. Jéssica afirma que já vinha sendo ameaçada pelo ex-namorado há cerca de dois meses, quando terminaram, e que só aceitou encontrá-lo para evitar um ?barraco? na rua onde moram, no Jardim Robru, na Zona Leste. Ainda segundo ela, Salles a trancou no carro e foi dirigindo cada vez para mais longe, até que entraram na Marginal Tietê.

?Eu falei que não tinha mais volta, aí ele falou que não tinha mais nada a perder, que eu estava fazendo ele de besta e que ia jogar o carro no Rio Tietê?, conta. Depois disso, ela afirma só se lembrar do carro saindo da pista e dela tentando virar o volante.

O motorista, que acusa Jéssica de ser infiel e de ter interesse nos seus carros, diz que era ela quem o procurava e quem pediu para encontrá-lo na noite de segunda-feira, sem que seus pais soubessem, uma vez que eles não aprovavam o relacionamento.

?Não sei o que aconteceu. Discutimos dentro do carro, mas não teve agressão ou ameaça?, afirma Ivanmar. ?Eu estava na pista do meio. Passei mal e de repente não enxerguei mais nada. Quando vi já estava na água?. Ele afirma que estava há dois dias sem dormir, devido a sua jornada de trabalho de 24 h seguidas, e sem comer direito.

?Eu que soltei o cinto de segurança dela e a ajudei subir em cima do teto. Ela nem se molhou, eu que fiquei com a água até o peito?, afirma o motorista. ?Se eu quisesse matá-la, teria tirado do carro e ligado para a polícia??

Os dois foram resgatados sem ferimentos, pouco antes da Ponte da Freguesia do Ó. Os bombeiros usaram um bote inflável para prender uma corda no carro. O veículo foi retirado da água depois de uma hora de trabalho.

Inquérito na Delegacia da Mulher

O caso foi registrado no 28º DP, mas como Jéssica acusa o ex-namorado de ter jogado o carro deliberadamente no rio, o caso foi parar na Delegacia da Mulher, que já abriu inquérito para apurar eventual tentativa de lesão corporal.

?Vamos ouvir as partes e procurar testemunhas, só então poderemos enquadrar o caso como acidente de trânsito ou como lesão corporal dolosa, que tem punições previstas na Lei Maria da Penha?, afirma a delegada Vanderlene Bossan. O depoimento do casal está marcado para o próximo dia 19.

Segundo a delegada, caso seja constatada alguma ameaça à suposta vítima, a polícia poderá solicitar inclusive medidas de proteção, como uma proibição judicial de aproximação do casal.

Arrumar mulher desse jeito? Não sou louco, sou trabalhador"

Jéssica garante que dará prosseguimento a acusação. Ela afirma que está com medo de sair de casa e pensa até mesmo sair do bairro e da cidade por algum tempo. ?Agora entendi que ele é capaz de tudo?.

Ivanmar, que mora com a mãe na casa ao lado da família de Jéssica, afirma que continuará no mesmo local, mas que não tem a menor intenção de voltar a se aproximar da ex-namorada ou de outra mulher tão cedo.

?Arrumar mulher desse jeito? Não sou louco, sou trabalhador?, diz.

Fonte: AE