Snoop Dogg cria fundo de capital de risco para investir em maconha

O rapper Nas e seu produtor investiram em 20 startups.

O astro do hip-hop, Snoop Dogg, está criando um fundo de R$ 25 milhões para investir em setores relacionados à maconha, segundo informou a TechCrunch.

Image title

Celebridades sempre tentaram ganhar um dinheiro extra com investimentos e endossos. Elizabeth Taylor tinha uma linha de roupas e um perfume. A Planet Hollywood, que depois pediu concordata, foi iniciada com ajuda de Sylvester Stallone, Bruce Willis, Demi Moore e Arnold Schwarzenegger.

Estes tipos de investimentos e endossos foram diferentes. Celebridades estavam tentando capitalizar sua fama, vendendo ou investindo em coisas que sua associação fortaleceria. Sean Combs podia saber pouco sobre vender vodca quando firmou um acordo com a Diageo para comercializar a Ciroc, mas sabia um bocado sobre estilo

O modelo agora é Bono, cantor líder do U2, que investe sem tentar alavancar sua celebridade para fazer esse investimento funcionar. Em 2004, ele entrou na empresa de capital de risco Elevation Partners. A ideia era que Bono poderia ser um visionário no mundo da mídia e da tecnologia. Bono pode ser a pessoa mais descolada da Terra, mas esse descolamento não se transferiu de fato para a Elevation Parters. A empresa fez alguns investimentos muito ruins na Palm e outras, e só foi salva por uma grande negociação com ações do Facebook antes de seu oferecimento público inicial. Ela deu um bom lucro a seus investidores, mas o fundo não levantou uma nova rodada de dinheiro. Em suma, é difícil avaliar quanto valor Bono forneceu.

Isso não o fez parar, porém. Bono e Kutcher anunciaram recentemente que seriam consultores da empresa de private equity TPG Capital sobre investimentos. Bono pode se sair melhor desta vez, mas é de se perguntar que valor ele traz para a TPG além daquele descolamento estilo anos 80.

Por que negociadores experientes querem astros do rock e atores para aconselhá-los? Por que empresários buscam seu dinheiro?

Há certo charme em toda esta badalação, é claro, e talvez alguma publicidade gratuita. No que toca ao investimento, porém, alguns poderiam cinicamente sugerir que os dólares de celebridades são apenas dinheiro que as companhias ficam felizes de acolher. Mas há mais do que isso.

No setor de capital de risco, perfil é importante. Andreessen Horowitz, por exemplo, possivelmente faz acordos melhores porque é conhecido por pagar preços polpudos e conseguir sucessos importantes em seus investimentos de risco. Em um mercado tão competitivo, um investidor celebridade é como mais um emblema. É um sinal de honra e um sinal de que alguém importante zela por você.

Esta é a teoria da badalação, mas de novo, há mais coisa aí. O investimento por celebridades pode realmente ter tudo a ver com a coisa que move o Vale do Silício - redes de relações pessoais e empresariais. Um importante advogado de empresa de capital de risco comentou comigo recentemente que comparece a mais de 100 almoços por ano. E as celebridades são boas em estabelecer relações e lidar com pessoas.

Algumas estão realmente dando duro para ter êxito. A celebridade provavelmente mais ambiciosa em capital de risco é Kutcher, que fez 41 investimentos via sua empresa, A-Grade Investiments, segundo o CrunchBase. Os investimentos incluem Airbnb, que é muito provavelmente um enorme vencedor. (Kutcher era também um investidor na Secret, a startup fechou recentemente).

O rapper Nas e seu produtor investiram em 20 startups, entre as quais a Washio. A Honest Company de Jessica Alba declara que tem um valor de mercado de US$ 1 bilhão, e o Dr. Dre vendeu a companhia que ajudou a fundar, Beats Electronic, à Apple por US$ 3 bilhões.

Em certo sentido, estes sucessos são o resultado de um ambiente de dinheiro fácil com baixas taxas de juros e valorizações estratosféricas. Todos estão pondo dinheiro em startups, e essas celebridades estão simplesmente lucrando e investindo.

Se o Vale do Silício experimenta uma situação de bolha, em algum ponto haverá um estouro. E haverá um abalo entre investidores celebridades. Os mais propensos a levar um golpe são os que investem em companhias que estão buscando publicidade, mas talvez não as melhores ideias.

Tome-se o caso da Viddy, que já foi promovida como o Instagram para vídeos. Ela era muito "quente" e atraiu Jay Z, Shakira e Will Smith como investidores. No fim do ano passado, fechou.

Se tudo desmoronar, pode-se apostar que muita celebridade vai sair primeiro. Mas mesmo que alguns nomes grandes saiam, a celebridade investidora em capital de risco continuará sendo um atrativo. Atores, praticantes de hip-hop e astros do rock parecem ser tão talentosos em reuniões e relacionamento quanto capitalistas de risco tradicionais. Aparentemente, os mundos do pop e da tecnologia compartilham um desejo comum: encontrar a próxima coisa grande.

O abalo pode demorar para acontecer, mas no pequeno mundo do Vale do Silício, ninguém tem o incentivo para desacelerar o carrossel. Tudo tem a ver com redes de relacionamentos e garantir que todos seus contatos fiquem felizes. E isso pode aumentar ainda mais as bolhas.

Portanto, ria enquanto puder. As celebridades investidoras em capital de risco são um sinal de um mercado efervescente. Mas são também um sinal de que o conjunto de habilidades mais valorizado no Vale do Silício não é o que se sabe, mas quem. É uma habilidade que pode funcionar por enquanto, mas que condena o Vale do Silício a um ciclo de expansões e estouros.


Fonte: Estadão