O “Corpo Selvalgem” de Gilles Coullet em Teresina

Nos dias 28, 29 e 30 de julho, Gilles realiza a oficina Le Corps Sauvage na Escola Balé de Teresina

O corpo é seu instrumento de trabalho e com ele o francês Gilles Coullet faz coisas de deixar qualquer pessoa impressionada. Ele é o que se define como um ator corporal, que utiliza a mímica como forma de expressão. No palco nada de falas, apenas o movimento para dizer o que pensa e transmitir uma mensagem. Essa forma diferente e inusitada de utilizar dança e teatro é a tônica do seu trabalho, denominado ?corpo selvagem?. Selvagem porque explora todas as formas de se expressar. E é um pouco do muito de conhecimento que ele tem nessa área que irá mostrar em Teresina.

A convite do ator e bailarino Chico Terto, o mímico veio ao Piauí e realizará logo hoje uma performance no Espaço Trilhos (Ponto de Cultura Grupo Hárem de Teatro). Será a partir das 19h30. Nos dias 28, 29 e 30 de julho, ele realiza uma oficina Le Corps Sauvage, de 9 às 11 horas, na Escola Balé de Teresina. A realização é da Cia. Luzia Amélia. A ação será totalmente gratuita dirigida a bailarinos, atores e investigadores do corpo. Incrições pelo telefone: 3221.1977.

Aos 59 anos, Gilles não demonstra em nada a idade que possui. O corpo é seu próprio cartão de visitas. A vitalidade que exibe é demonstrada na disciplina em que treina e trabalha. De hábitos simples, come pouco e se dedica muito ao seu ofício e diz que a maior parte do seu tempo é para treinar. Mesmo sem falar português, a linguagem não será um empecilho para o artista que tem no corpo sua maior forma de comunicação.

E vale lembrar que a oficina é aberta a profissionais das mais diversas especialidades, até por que dança e movimento não é algo só inerente a um grupo. Muita gente, segundo Gilles, pode e deve trabalhar o corpo. Esse teatro corporal de que ele tanto fala engloba aspectos diversos e traz não só disciplina, mas bem estar.

Há trinta anos trabalhando com teatro corporal, ele se divide entre França, Inglaterra e Itália, realizando oficinas, além de outras atividades nessa área. Na Europa são muitos os seguidores desse modalidade de expressão. No Brasil há ainda poucos adeptos, mesmo assim vem crescendo pelo país. Longe de ser dança pura, a dança envolve uma linguagem própria que também pode ser assimilada pelo teatro. E o resultado é uma forma de arte abrangente e muito rica.

Fonte: Liliane Pedrosa, Jornal Meio Norte