Pais processam escola por exibir filme de sexo

Pais processam escola por exibir filme de sexo

Segundo corretor, filha ficou abalada emocionalmente

Um filme passado na aula de artes de um colégio em Itanhaém, a 106 km de São Paulo, fez um pai indignado entrar com uma representação no Ministério Público contra a instituição de ensino privada. O motivo: cenas de sexo apresentadas para crianças menores de 12 anos.

A transmissão do filme ?Frida?, que conta a história da polêmica pintora surrealista mexicana Frida Kahlo, aconteceu no último dia 9 e, segundo o corretor de imóveis Jefferson Lima, de 44 anos, abalou emocionalmente sua filha de 11 anos. ?Ela chegou da escola chorando e contou que passaram um filme pornográfico?, disse. A obra é classificada para pessoas com mais de 14 anos.

Lima foi até o colégio para conferir se a denúncia da menina procedia. Lá, pediu para assistir à película e ficou chocado. ?Cenas de promiscuidade, patifaria. Não condiz com a idade das crianças?, afirmou.

Procurada, a escola informou que a direção analisava as perguntas enviadas pelo G1, mas até a publicação desta reportagem não havia retornado o contato.

Segundo o corretor, a escola chegou a enviar uma carta se desculpando. Isso, porém, não basta para ele. ?Queria que a coordenadora e a professora fossem punidas por isso.? Apesar de já ter mudado a garota de colégio, o pai afirma que a menina ainda está impressionada com o que viu. ?Acorda assustada, chora muito. Ela precisa de psicólogo?, comentou.

Evangélico da Igreja Bola de Neve, ele afirmou que esse tipo de obra não passa na televisão de sua casa. ?E o colégio disse que tudo o que minha filha viu lá passava na televisão. (...) A mente dela foi obstruída?, reclamou. Ele afirma que não quer chamar a atenção com o caso. ?Entrei na Justiça pelo constrangimento pelo qual minha filha passou.?

Segundo o defensor de Lima, o advogado José Ribeiro de Andrade, não há motivações financeiras na medida. ?A família quer retratação e as providências cabíveis. A Justiça que irá decidir o que será feito.?

Fonte: g1, www.g1.com.br