Pesquisa revela as preferências sexuais da mulheres

Depois da repressão e mais tarde a liberação sexual, a mulher começa a assumir suas preferências.



Nós não somos mais as mesmas. A tendência do comportamento humano é mesmo a mudança, mas quando a assunto é sexo, para onde caminha o interesse feminino?

Depois da repressão e mais tarde a liberação sexual, a mulher começa a assumir suas preferências motivada apenas pelo que a satisfaz ou não. Parecer santinha não está mais em cogitação. O que define o menu sexual da mulher atual é o que ela de fato gosta na cama.

Com um total de 1121 participantes dos 26 Estados brasileiros mais o Distrito Federal, o Papo Íntimo concluiu a pesquisa Papo Franco sobre sexo. Desses, 977 informaram ser do sexo feminino e 84% estão na faixa de 18 a 45 anos.

Pelas revelações, já dá para adiantar que de forma geral a mulher está bem mais confortável com a sua sexualidade e admite ousadias, mas, alto lá, nem todas.

Sentidos

Quando se tratam dos cinco sentidos, há informações relevantes: homens, invistam em um bom perfume, pelo menos, é o que desperta o desejo de 49% das mulheres. O cheiro natural agrada 41%, que perferem um odor suave, aquele depois de um banho, sem suor. Bebidas alcóolicas provocam o paladar de 37% das mulheres e nada menos que 66% não resiste a um sussurro no ouvido.

Se a preocupação é com o visual, as mulheres garantem que nem um corpo definido é páreo para um olhar cheio de desejo. Ver que o parceiro está muito a fim é o que atrai 58% das mulheres entrevistadas.

Há quem ache que os pontos mais sensíveis da mulher são difíceis de alcançar, mas de acordo com 32% das participantes um beijo na nuca é suficiente para incendiar os lençóis. Já 31% revelam que nada lhes dá mais prazer que o toque nos seios.

Orgasmo

Se você é uma das que acham que não é fundamental chegar ao clímax, prepare-se para ficar entre a minoria. Mais de 30% das mulheres garantem que têm orgasmos em todas as relações e outras 29% afirmam saber o que são os famosos orgasmos múltiplos.

Apesar de ser uma porcentagem pequena, é preocupante que 9% informem não conseguir sentir nenhum prazer nas suas relações. Ninguém precisa se acomodar, já existem soluções clínicas para a maioria dos casos. Essa é uma parte muito boa da vida e há poucas razões para se privar dela.

Ousadias

Transar em público pode ser considerada uma das grandes estripulias a dois, mas para 45% das mulheres só rola se ninguém vir o ato. Para 18%, a praia é o melhor cenário público e 15% preferem algo mais arriscado como um elevador.

Mas, muita calma, rapazes! Não se animem com tanta ousadia. Nem pensem em propor um ménage a trois a qualquer moça, já que 48% afirmam que ficariam ofendidas, com ciúmes e jamais aceitariam. No outro extremo, as menos pudicas topariam, mas só se fosse com dois homens.

Os brinquedinhos de sex shop também não fazem parte da fantasia da maioria das mulheres. Apenas o vibrador aparece na lista de interesses femininos, mas 31% diz que não tem porque tem vergonha de comprar. Está aí uma boa dica de presente! Filmes eróticos também frequentam os quartos brasileiros de acordo com 30% das mulheres, mas será mesmo que foram as moças que compraram? Essa é uma questão para a próxima pesquisa.

Modalidades

Meninos, façam cursos, treinem e se dediquem bastante, porque para 79% das entrevistadas, sexo oral é ESSENCIAL! Nelas, é claro. A boa notícia para os homens é que 64% também adoram fazer em seus parceiros. Outras 28% sugerem um banho antes.

Sexo anal, uma das maiores fanstasias masculinas parece que está ganhando terreno entre as mulheres.

É o que dizem 28% das participantes que garantem sentir muito prazer com essa modalidade e outras 23% dizem já ter tentado, mas desistiram por causa da dor. Ninguém pode acusar as mulheres de nem tentar, não é mesmo?

Sexo solitário, conhecido também como masturbação, para 26% é importante para conhecer o corpo, mas 49% enfatizam que não se compara a uma relação a dois.

Traição

Consideradas mais emotivas que racionais, mas sensíveis que calculistas, as mulheres avisam que o perigo de uma traição é maior quando falta atenção. Carência emocional é o que levaria 33% das mulheres a trairem seus parceiros. Vingança é o Segundo maior motivo com 22% e empatados em terceiro lugar com 17% ficam atração física e carência sexual. Atenção, meninos! Parece claro que o que vale mais é a performance fora do quarto.

Prevenção

A pílula ainda é uma das melhores amigas da mulher. Para 34% das participantes é ela quem garante tranquilidade na hora do sexo. O dado mais preocupante diz respeito ao uso de preservativos. Apenas 44% das mulheres usam camisinha, que além de prevenir uma gravidez indesejada ainda protege contra doenças sexualmente transmissíveis. Vale ressaltar que coito interrompido e tabelinha não são métodos seguros e não impedem a entrada de doenças. Cuidado, meninas!

Fonte: Terra