Principais obras em 5 cidades da Copa ainda não começaram

Na capital mineira, um corredor de ônibus entre avenidas deveria ter começado a ser construído em março

Em cinco das 12 cidades-sedes da Copa do Mundo de 2014, as principais obras de mobilidade urbana planejadas para ficarem prontas antes do Mundial ainda não começaram e correm o risco de não ficarem prontas a tempo. Todas as intervenções constam na Matriz de Responsabilidades da Copa, assinada em janeiro de 2010 por governo federal, estados e municípios que receberão jogos da competição.

As cidades com as obras ainda por começar são Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Fortaleza (CE), Manaus (AM) e Porto Alegre (RS).

Na capital mineira, um corredor de ônibus nas avenidas Pedro II e Carlos Luz deveria ter começado a ser construído em março deste ano, mas permanece sem previsão de data para começar.

A avenida Pedro II, via de ligação entre o centro da capital mineira e a região do estádio do Mineirão, aguarda o início da construção de um corredor de 12 km exclusivo para ônibus.

O corredor exclusivo será de uma faixa em cada sentido, terá 17 estações e 12 quilômetros de extensão. As avenidas Pedro II e Carlos Luz são uma importante via de ligação entre o centro da Cidade e o Mineirão, que fica na região da Pampulha. Também dá acesso aos morodores da região Noroeste da cidade ao Anel Viário de Belo Horizonte. Atualmente, a avenida Pedro II é uma das mais congestionadas do município.

Segundo o planejamento inicial, constante na Matriz de Responsabilidades, a obra deveria ter começado em janeiro e ser concluída em outubro deste ano. A prefeitura assinou o contrato para sua construção no dia 16 de março deste ano. Em abril, os dados foram revistos pela prefeitura de Belo Horizonte, que passou a anunciar o início da obra para aquele mesmo mês de abril, e a conclusão passou a ser prevista para agosto de 2013.

O valor total da obra é de R$ 233, 5 milhões, sendo R$ 146 milhões financiados pela Caixa Econômica Federal e uma contrapartida do município de R$ 87,5 milhões.

Já em Brasília, os últimos atrasos anunciados em uma nova licitação para a obra do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), no fim do mês de abril, inviabilizaram definitivamente sua conclusão para a Copa. A obra começou em 2009.

Por estar presente na Matriz, o VLT de Brasília é financiado com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e oferece prazos mais longos e juros menores aos praticados no mercado. Dos R$ 277 milhões previstos para serem gastos na obra, R$ 263 milhões vêm dos cofres federais. Apesar de não existir mais chance do VLT ser utilizado na Copa, a Matriz atualizada do Ministério do Esporte não retira os recursos e as condições de pagamento da obra de Brasília.

Os últimos atrasos anunciados em uma nova licitação para a obra do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), no fim do mês de abril, inviabilizaram definitivamente sua conclusão para a Copa. A obra começou em 2009.

O principal motivo que levou ao atraso da obra foi a anulação imposta pela Justiça do DF, em abril de 2011, da primeira licitação realizada, em 2009. É que houve fraude no processo, feito, de acordo com a Justiça, para beneficiar empresas ligadas a José Gaspar de Souza, então presidente do Metrô do DF. Agora, o Ministério Público Federal anunciou que irá tentar na Justiça suspender o empréstimo concedido pela Caixa Econômica Federal.

Outra intervenção que também já garantiu os recursos da Caixa e ainda não começou é a extensão o metrô de Fortaleza, capítal cearense. A implantação de duas novas estações na Linha Sul do Metrofor deveria ter começado em março do ano passado. A previsão atual é de que a obras comecem em agosto deste ano e sejam concluídas em junho do ano que vem.

A Linha Sul deverá começar a rodar, sem estas duas estações, em junho deste ano. O presidente do Metrofor, Edilson Aragão, informa que mais de R$ 1,7 bilhão foi investido na construção da linha, quase o triplo do que estava previsto no projeto inicial. Segundo Edilson, ?as estações Juscelino Kubitschek Padre Cícero só estarão prontas para a Copa do Mundo de 2014?.

A Ordem de Serviço (OS) da obra do VLT de Manaus foi assinada pelo Estado e pelo Consórcio Monotrilho Manaus, composto pelas empresas CR Almeida S.A., Engenharia de Obras Mendes Júnior Trading e Engenharia S.A. em janeiro deste ano. Segundo este documento, as empreiteiras têm 40 meses, a contar da assinatura da OS, para entregar a linha, ou seja, até julho de 2015.

Em outra sede, Manaus, a obra que está para começar é a do VLT. O monotrilho que pretende construir o governo do Amazonas está orçado em R$ 1,3 bilhão, sendo R$ 600 milhões em recursos subsidiados do governo federal para obras da Copa. A obra, segundo a primeira versão da Matriz de Responsabilidades, deveria ter começado em junho do ano passado, mas nada saiu do papel até agora.

A última promessa do coordenador da Unidade Gestora do Projeto Copa em Manaus, Miguel Capobiango, é a de que o projeto executivo da intervenção ficará pronto até junho deste ano, podendo assim dar início aos trabalhos de construção.

A Ordem de Serviço (OS) da obra foi assinada pelo Estado e pelo Consórcio Monotrilho Manaus, composto pelas empresas CR Almeida S.A., Engenharia de Obras Mendes Júnior Trading e Engenharia S.A. em janeiro deste ano. Segundo este documento, as empreiteiras têm 40 meses, a contar da assinatura da OS, para entregar a linha, ou seja, até julho de 2015.

Finalmente, no outro extremo do país, em Porto Alegre (RS), as intervenções na Terceira Perimetral, uma das principais vias expressas da capital gaúcha, estão prestes a começar, de acordo com o governo estadual, e consumirão R$ 120 milhões, sendo R$ 94,6 milhões da Caixa. A primeira previsão era a de que os trabalhos tivessem tido início em janeiro de 2010 e concluídos em junho deste ano. Agora, o governo do Rio Grande do Sul espera entregar a obra em dezembro de 2013.

Em Porto Alegre, somente sete dos 17 projetos consideradas fundamentais para a Copa já começaram. Entre os que ainda não foram iniciados, está o viaduto estaiado no cruzamento na Terceira Perimetral. Com início previsto para julho deste ano e prazo de 24 meses de construção, a obra será inaugurada após a final da competição.

Fonte: UOL