Quase 70% dos alunos brasileiros não sabem calcular

Aprender matemática depende de escolas que funcionem bem, dizem especialistas

Apesar da melhora do Brasil na educação entre 2000 e 2009 - o país foi o terceiro com maior crescimento em pontos no ranking educacional da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) -, os jovens brasileiros ainda enfrentam muita dificuldade em matemática e ciências.

É possível chegar a essa conclusão analisando o Pisa, o relatório da OCDE que analisa a situação do ensino de 64 diferentes países.

Em matemática, a maioria dos jovens brasileiros (69%) ficou abaixo do nível 2, considerado o mínimo para saber calcular. Isso significa que os estudantes não foram capazes de fazer contas simples, como multiplicação e divisão, nem resolver problemas de geometria, por exemplo.



Os 34 países membros da OCDE (a maioria deles desenvolvidos, como Alemanha, Reino Unido e EUA) se saem melhor do que o Brasil. Apenas um quarto dos alunos avaliados (25%) está abaixo do nível 2 em matemática, entre as nações que fazem parte do órgão internacional.

Em relação à Finlândia, primeiro lugar do ranking em matemática, apenas 7,8% dos jovens tiveram desempenho ruim. Por outro lado, 16,7% alcançaram nível considerado "top".

Cada nível equivale a uma etapa do aprendizado: quanto mais baixo, menos o estudante sabe.

No nível 2, os jovens aprenderam a usar informações básicas da área (seja matemática, ciências ou português), conseguindo executar tarefas comuns como contas e interpretação de texto.

No nível 5, os jovens são capazes de associar fórmulas de química e física para resolver problemas, construir hipóteses a partir teoremas matemáticos e retirar informações de vários trechos de textos, além de outras ações mais complicadas.

Uma pesquisa da ONG Todos Pela Educação divulgada há um mês já mostrava a dificuldade dos jovens brasileiros em matemática.

Mais de 85% dos estudantes do último ano do ensino fundamental e do ensino médio foram "reprovados" na área - tiveram nota ruim em matemática em um exame aplicado pelo MEC (Ministério da Educação).

Os problemas acontecem porque o aprendizado de matemática depende muito da escola, afirma Simon Schwartzman, presidente do Iets (Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade). Ao comentar os dados da ONG, ele refletiu que, se a família fala bem o português, o aluno naturalmente vai se sair melhor na disciplina, que exige mais do aprendizado no dia a dia do que de bons laboratórios, por exemplo.

- Se ela [a escola] não ensina ou não funciona bem, o aluno não aprende [matemática].

Os estudantes brasileiros foram um pouco melhor em ciências, mas ainda assim mais da metade (54,2%) não conseguiu alcançar o nível 2, o básico de conhecimento exigido.

Os jovens são capazes apenas de entender princípios superficiais de química, biologia e física - eles entendem pouco de química orgânica e não sabem calcular o valor de um mol de oxigênio, por exemplo.

Dos 20 mil alunos brasileiros avaliados, apenas 0,6% atingem o nível 5, em que os jovens aprendem a pensar criticamente sobre o que estão estudando e são capazes de realizar operações complexas.

Melhor em português

Os jovens do Brasil também foram um pouco melhor em leitura e interpretação de texto - 27,1% chegaram ao mínimo exigido (nível 2). A maioria (71,6%) teve desempenho igual à média dos países emergentes, ficando entre os níveis 1a (melhor que o nível 1) e 3.

Mais de 76% dos alunos colombianos ficaram na mesma situação que o Brasil em leitura, assim como 66,4% dos argentinos.

O ministro da Educação, Fernando Haddad, em entrevista sobre o Pisa concedida no dia 6 de dezembro deste ano, avalia que a família tem papel essencial no desenvolvimento dos estudantes.

- Se a família tem um papel fundamental na educação, uma das variáveis que favorece a atenção da família a essa questão é justamente o bem-estar, que é ter uma biblioteca, ter acesso à internet, ter acesso a jornal e a revistas, a livros.

Fonte: R7, www.r7.com